Conjuntura Indústria com quedas nas vendas até Novembro

Indústria com quedas nas vendas até Novembro

Dados do INE mostram que o sector industrial apresenta um volume de negócios a cair em 2016 face ao ano anterior, mas com o emprego e as remunerações a recuperarem.
Indústria com quedas nas vendas até Novembro
Paulo Duarte/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 10 de janeiro de 2017 às 11:43
O volume de negócios na indústria cresceu 6,7% só em Novembro de 2016 em relação ao mesmo mês do ano anterior, revelam dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgados esta terça-feira. No entanto, esta melhoria na evolução da taxa de variação homóloga (em Outubro as vendas tinham recuado 3,2%) não foi suficiente para tirar este indicador de terreno negativo quando se observa a evolução do conjunto do ano até Novembro.

A taxa de variação nos últimos 12 meses, que compara o ano terminado em Novembro de 2016 com o mesmo período imediatamente anterior e permite uma análise limpa de efeitos sazonais, foi de -1,5%. Isto significa que neste período (de 12 meses) o volume de negócios foi inferior ao do período homólogo.

Ainda assim, apesar de se manter em terreno negativo, este indicador está a traçar uma tendência de recuperação, já que a taxa de variação média nos últimos 12 meses terminada em Outubro era de -2,1%. 

O INE explica que a evolução da taxa de variação homóloga referente apenas ao mês de Novembro pode estar relacionada com o número de dias úteis - e, portanto, de trabalho nas fábricas - em cada um dos meses de cada um dos anos.

"Em termos nominais, o Índice de Volume de Negócios na Indústria passou de uma diminuição homóloga de 3,2% em Outubro para um crescimento de 6,7% em Novembro. Esta evolução poderá estar relacionada com o número de dias úteis no período de referência (20 e 21 dias em Outubro e Novembro de 2016, respectivamente, 22 e 21 no ano anterior, pela mesma ordem)."

Tanto as vendas para o mercado nacional como as vendas para o mercado externo apresentam taxas de variação nos últimos 12 meses negativas, ambas a desenhar uma tendência de recuperação.

Apesar do mau desempenho nas vendas, o emprego, as remunerações e as horas trabalhadas apresentam crescimentos.

A taxa de variação média nos últimos 12 meses terminados em Novembro do emprego foi de 1,6%, uma décima acima do registo de Outubro. No caso das remunerações, esta taxa acelerou de 3,3% para 3,4%, entre Outubro e Novembro. O número de horas trabalhadas aumentou 0,3%, menos uma décima do que a taxa acumulada até Outubro.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 10.01.2017


A ladroagem de esquerda

AS CLASSES SOCIAIS EM PORTUGAL:

1. Burguesia = Os Patrões

2. Nobreza = Os Ladrões FP / CGA

3. Povo = Os Trabalhadores e Pensionistas do privado (que são tratados como escravos e roubados para sustentar as 2 classes privilegiadas)

Anónimo 10.01.2017

A crescer só marteladas e trafulhice com o apoio dos branqueadores .

Anónimo 10.01.2017

Está a correr bem...

pub
pub
pub
pub