Zona Euro Indústria italiana arranca o ano com maior quebra desde 2011

Indústria italiana arranca o ano com maior quebra desde 2011

A produção industrial na terceira maior economia da Zona Euro recuou 2,3% em relação a Dezembro, ficando abaixo das previsões dos analistas da Reuters.
Indústria italiana arranca o ano com maior quebra desde 2011
António Larguesa 13 de março de 2017 às 10:42

A produção industrial em Itália caiu 2,3% em Janeiro, face ao último mês do ano passado, o que representa o maior recuo mensal desde 2011, segundo os cálculos comparativos apresentados esta segunda-feira, 13 de Março, pelo Financial Times.

 

Segundo os dados oficiais divulgados esta manhã, as estatísticas industriais referentes ao arranque deste ano acabaram por ser bem piores do que o estimado. Um conjunto de dez analistas da Reuters, por exemplo, tinha previsto um recuo que se ficava pelos 0,8% em Janeiro.

 

A dimensão desta quebra, que abrangeu todos os níveis de produção, desde os bens de consumo aos bens intermédios, acaba por ser ainda mais acentuada pelo comparativo com o mês de Dezembro de 2016, em que o sector industrial tinha surpreendido com um forte subida de 1,4%.

 

Este contributo da indústria foi preponderante para a evolução positiva do PIB no último trimestre de 2016, ajudando a terceira maior economia da Zona Euro a terminar o ano passado com um crescimento económico de 0,9%, que ficou ligeiramente acima da previsão do governo italiano e uma décima acima do registado em 2015.

Em Portugal, segundo os dados publicados pelo INE a 2 de Março, o índice que mede a produção industrial aumentou 2,7% no mês de Janeiro, o que representou uma desaceleração face ao ritmo de crescimento homólogo registado no final do ano, pois em Dezembro tinha crescido 4,4%.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub