Ásia Indústria na China estável, próxima de máximos de 2012

Indústria na China estável, próxima de máximos de 2012

O último mês do ano passado ficou marcado por um ligeiro abrandamento na actividade da indústria e dos serviços. Mas os gestores de compras esperam um aumento da inflação.
Indústria na China estável, próxima de máximos de 2012
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 02 de Janeiro de 2017 às 07:57

A actividade industrial na China estabilizou no mês de Dezembro - num valor próximo de máximos de 2012 que já tinham sido atingidos em Novembro passado - apesar de o valor ter ficado ligeiramente abaixo do esperado pelos analistas.


O índice oficial que mede a actividade manufactureira na segunda maior economia do mundo ficou no mês passado em 51,4, ligeiramente aquém dos 51,5 esperados e dos 51,7 alcançados no mês anterior.


O índice de gestores de compras relativo a outra componente, a de serviços, também abrandou no mesmo período, passando de 54,7 para 54,5 em Novembro. Todos os valores reportados ficam acima do limite de 50, acima do qual se considera que a actividade está em expansão.


Os dados, conhecidos este domingo, 1 de Janeiro, e citados pela Bloomberg, dão ainda conta de um aumento dos preços nas fábricas para máximos de cinco anos, nos 69,6, ao passo que no sector dos serviços foi alcançado um máximo de três anos, com o índice de expectativa dos preços a alcançar 56,2. Elementos que denotam a expectativa de um aumento da inflação.

Ainda ontem, um dos conselheiros do Banco Popular da China, Huang Yiping, defendeu que a economia chinesa deve estabelecer uma meta mais flexível para o crescimento do ano que agora começa, apontando para uma evolução da economia entre os 6% e os 7%, intevalo ligeiramente mais amplo que o proposto no ano passado, de entre 6,5% e 7%.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub