Conjuntura INE: Actividade económica mantém crescimento

INE: Actividade económica mantém crescimento

A actividade económica está a crescer ao ritmo mais célere dos últimos 16 anos, segundo os dados do INE. A contribuir para este desempenho está, em grande parte, o contínuo aumento do consumo privado.
INE: Actividade económica mantém crescimento
Bruno Simão/Negócios
Sara Antunes 18 de agosto de 2017 às 11:25

O indicador de actividade económica cresceu, em Junho, 3% quando comparado com igual período do ano passado, revelou esta sexta-feira, 18 de Agosto, o Instituto Nacional de Estatística (INE).

 

Este crescimento é idêntico ao verificado em Maio e corresponde ao ritmo mais rápido dos últimos 16 anos.

 

A contribuir para o crescimento da economia estarão as famílias, já que o consumo privado também continua a acelerar o crescimento. Este indicador cresceu 2,6% face ao ano passado, tendo em consideração a média móvel dos últimos três meses.

 

Estes dados apontam assim para que a economia continue a recuperar. Ainda esta semana foram conhecidos os dados do produto interno bruto (PIB) do segundo trimestre do ano, tendo a economia crescido 2,8% em termos homólogos, mantendo o ritmo de expansão dos primeiros três meses do ano.

Esta evolução garantiu o melhor crescimento homólogo semestral desde 2000. Com este resultado, o PIB anual deverá aumentar em torno de 2,5%.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

Os europeus, Portugal incluído, são vítimas da Sharia, anti-liberal e inerentemente anti-mercado, dos direitos adquiridos. A mesma que defende o direito ao trabalho dê por onde der e os empregos e generosos benefícios sociais garantidos para a vida toda e sempre a subir, o keynesianismo despesista do tipo que ordena a abertura de buracos nas ruas só para depois os ter que tapar logo de seguida e assim ver o PIB anual crescer por virtude de um efeito multiplicador quase bíblico que acaba sem pão ou sem peixe alguns para a multidão e o esquema em pirâmide da Segurança Social estatal cuja base se estreita a cada ano que passa e desemboca na imigração "open door", sem critérios de selectividade orientados para as reais necessidades ditadas pelas forças de mercado a cada momento.

Anónimo Há 4 dias

Se a República comprar pás e picaretas e o governo mandar metade dos portugueses esburacar as estradas todas e outra metade ir lá tapá-las a 150 euros à hora, o PIB ainda cresce mais este ano. Força dupla Costa-Centeno! Não compensa é os estragos já feitos em Tancos e Pedrógão. Não ia lá com pás, picaretas e uma avalanche de contratos de trabalho sem qualquer estratégia, justificação ou sentido. Mas o PIB cresce. E a dívida para nós e os nossos filhos pagarmos também...

Pierre Ghost Há 4 dias

...só pelos comentários do zzzzzz se vê a diarreia mental que paira nos acéfalos dos xuxas....
Nem vale a penas perder o meu tempo a dar-lhe liçoes de economia....
Quando a Troika entrar...e espero que seja rápido...até vai doer....e eu vou rir !!!!

zzzzzzzzz Há 4 dias

também foi o passinhos que aumentou o salario minimo para dinamizar o consumo interno, não foi? e também foi o passinho que andou com o dinheiro dele a comprar divida publica para baixar os juros não foi o BCE... há por aqui cada comentário...

ver mais comentários
pub