Finanças Públicas INE em braço-de-ferro com Eurostat não chega a acordo sobre efeito da CGD no défice

INE em braço-de-ferro com Eurostat não chega a acordo sobre efeito da CGD no défice

As duas autoridades estatísticas estão em desacordo. O Eurostat lembra prejuízos desde 2012 e quer o impacto total no défice. O INE defende que é um investimento financeiro como qualquer outro, e portanto só deve ter efeito na dívida.
INE em braço-de-ferro com Eurostat não chega a acordo sobre efeito da CGD no défice
Pedro Elias
Rui Peres Jorge 22 de setembro de 2017 às 12:23
Ainda não foi desta que o INE avançou qual será o registo da recapitalização da CGD nas contas públicas de 2017. O braço-de-ferro metodológico com o Eurostat prolonga-se há meses. O Negócios avançou esta semana que a probabilidade de a operação ter efeito nas contas públicas é muito elevada, tendo essa sido já a posição preliminar do gabinete de estatísticas da União Europeia. As autoridades nacionais não concordam. 

INE e Eurostat têm também perspectivas diferentes quanto ao prazo de conclusão das conversações. O INE diz que o diálogo pode continuar até Março de 2018, enquanto o Eurostat espera tomar uma posição nas próximas semanas. Sobre a parte pública da recapitalização da CGD, que atingiu 3.944 milhões de euros, "o INE continua envolvido num processo de diálogo e de troca de informações com a Comissão Europeia (Eurostat) sobre o seu registo em contas nacionais. Este processo terá como limite temporal Março de 2018, quando o INE transmitir a primeira notificação do Procedimento dos Défices Excessivos relativa a 2017", lê-se na nota publicada a 22 de Setembro. Dias antes fonte oficial do Eurostat respondeu que "o nosso conselho sobre a matéria deve ser publicado nas próximas semanas – mas não há qualquer data fixa" para o fazer. O Eurostat publica a sua nota sobre contas nacionais trimestrais dos vários Estados-membros a 24 de Outubro.

O Negócios escreveu esta semana que a operação deve ter impacto no défice. Essa foi a apreciação preliminar do Eurostat e especialistas ouvidos nas últimas semanas não antecipam espaço para evitar um desfecho que levaria o défice para valores acima dos 3% do PIB em 2017. O processo não está, contudo, fechado. O INE ainda esgrime argumentos para que a operação seja considerada um investimento financeiro o que implicaria que não teria impacto no défice público, mas apenas na dívida – onde de resto já está reconhecida.

Um dos principais argumentos nacionais é referido na nota do INE de 22 de Setembro, na qual se lê que a operação de recapitalização foi considerada "como não constituindo uma ajuda de Estado pela Comissão Europeia", ou seja, serviu para responder a exigências regulatórias de capital crescentes no plano europeu, para implementar um plano de reestruturação considerado credível aos olhos da Direcção-geral da Concorrência,e contou com capital privado via emissão de obrigações perpétuas. Por tudo isso é um investimento financeiro rentável como qualquer outro, defendem.

Na perspectiva do Eurostat esses argumentos não invalidam as regras europeias que determinam o registo da operação na despesa e no défice. Dados os prejuízos passados desde a última recapitalização em 2012, que até superam o montante da injecção de capital realizada este ano, a operação tem mesmo de ter reflexos orçamentais, defende o gabinete de estatísticas europeu. Essa foi a prática em recapitalizações noutros países, argumenta.

O registo da recapitalização no défice, no valor de 2,1% do PIB, atiraria o défice orçamental para valores superiores à barreira europeia de 3% do PIB. 



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Pois, pois, discutam isso do deficit para depois da festa: dia 1 outubro, agora há passar só boas noticias para distrair os tolos e bobos...

comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 3 semanas

Resumindo: não interessa NADA o valor COLOSSAL que é do "estado" !!!!!!!!!!!!!!

O que interessa é a "contabilidade"...
Eu compro um Ferrari e faço o crédito na conta bancaria da minha mulher e assim a responsabilidade desaparece ?!?!?!
irresponsáveis de TRAMPA!

Oposição Há 3 semanas

Truques caros, truques de contabilidade criativa.

Anónimo Há 3 semanas

Que trapalhada que o Governo e a Comissão Europeia foram arranjar. E agora o INE e o Eurostat foram apanhados no meio. Isto não vai acabar bem para o país, mas se acham que alguém em Bruxelas vai admitir alguma culpa bem podem esperar sentados...

Anónimo Há 3 semanas

Para justificar tudo o que fizeram na CGD quiseram fazer passar a mensagem que a anterior administração não tinha capitalizado a Caixa devidamente . Foram até desonestos intectualmente não referindo as circunstancias particularmente difíceis que o pais atravessava. Agora talvez percebam melhor.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub