Saúde Infarmed obrigado a balanço anual da estratégia do medicamento

Infarmed obrigado a balanço anual da estratégia do medicamento

O Governo publicou a nova estratégia nacional do medicamento para 2016 a 2020 com a qual pretende uma gestão mais eficiente dos gastos públicos com medicamentos. O Infarmed fica obrigado a relatórios anuais.
Infarmed obrigado a balanço anual da estratégia do medicamento
Miguel Baltazar
Negócios 13 de Outubro de 2016 às 10:53

A "Estratégia Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde 2016 -2020" entra em vigor esta sexta-feira, 14 de Outubro e pretende garantir uma gestão mais eficiente dos recursos públicos gastos com medicamentos. No centro da sua aplicação e monitorização estará o Infarmed, que ficará obrigado a relatórios anuais de balanço sobre a estratégia agora publicada em Diário da República

A Resolução do Conselho de Ministros explicita como objectivos gerais da estratégia a "promoção de uma política sustentável na área do medicamento, de modo a conciliar o rigor orçamental com o acesso à inovação terapêutica, o aumento da quota de utilização de medicamentos genéricos e da utilização de biossimilares e o estímulo à investigação e à produção nacional no sector do medicamento". A pasta da Saúde é tutelada por Adalberto Campos Fernandes (na foto).

Nessa medida, a estratégia define oito dimensões de actualização: "Revisão dos mecanismos de dispensa e de comparticipação de medicamentos, em especial dos doentes crónicos em ambulatório", "Promoção do aumento da quota de utilização de medicamentos genéricos e biossimilares", "Plano Hospitalar de Medicamentos", "Colaboração com a Rede de Cuidados de Saúde Primários", "Desenvolvimento de modelos de avaliação das tecnologias de saúde", "Valorização do papel das farmácias comunitárias e aproveitar os seus serviços, em articulação com as unidades do Serviço Nacional de Saúde", "Incentivar e apoiar a investigação e a produção nacional no sector do medicamento e dos dispositivos médicos", "Promoção da Transparência".

É sobre a evolução nestes planos que o Infarmed ficará obrigado a relatórios anuais, lê-se na RCM que determina "que o INFARMED — Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I. P., elabora anualmente um relatório intermédio sobre a implementação da Estratégia Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde e um relatório global no final do quadriénio".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 13.10.2016


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.


Anónimo 13.10.2016


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.


pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub