Conjuntura Inflação em Outubro ficou mesmo nos 1,4%

Inflação em Outubro ficou mesmo nos 1,4%

A segunda leitura relativa aos preços no consumidor confirma que a inflação ficou nos 1,4% em Outubro. Na União Europeia, a inflação no mês passado fixou-se nos 1,7%.
Inflação em Outubro ficou mesmo nos 1,4%
Reuters
Ana Laranjeiro 16 de novembro de 2017 às 10:25

A inflação ficou nos 1,4% na Zona Euro, em Outubro. Os números publicados nesta manhã de quinta-feira, 16 de Novembro, pelo Eurostat vêm confirmar a indicação dada pela primeira leitura, publicada a 31 de Outubro. Os preços no consumidor registaram assim um ligeiro decréscimo face a Setembro, mês em que ficou nos 1,5%. 

O sector dos transportes foi o que mais pesou para este comportamento, em especial os combustíveis para os transportes. Em segundo lugar surgem os serviços de alojamento e, em terceiro, o segmento do leito, queijo e ovos. Por outro lado, com uma evolução negativa estive a área das telecomunicações, roupa e protecção social.

Olhando para os países que pertencem à área do euro, a Lituânia foi o país que registou a taxa de inflação mais elevada (4,2%), seguido pela Estónia (4%) e Letónia (2,7%). Portugal, no mês passado, a inflação ficou nos 1,9%, acima da média do euro.

No final de Outubro, o Banco Central Europeu (BCE) decidiu manter a taxa de juro de referência na Zona Euro, mas anunciou uma redução do montante de compras de compra de activos. O BCE prolongará o programa de compra de activos por tempo indefinido, e pelo menos até Setembro do próximo ano, mas a partir de Janeiro avançará um ritmo mensal de compras de 30 mil milhões de euros, inferior ao actuais 60 mil milhões de euros.

A decisão era esperada há meses, com várias hipóteses em cima da mesa: seis meses a 40 mil milhões de euros por mês (240 mil milhões de euros no total); nove meses a 30 mil milhões (270 mil milhões de euros) e 12 meses a 20 mil milhões de euros (240 mil milhões de euros).

A inflação na União Europeia, em Outubro, fixou-se nos 1,7%.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub