Economia Inflação na Alemanha sobe mais do que o esperado para 1,8%

Inflação na Alemanha sobe mais do que o esperado para 1,8%

O crescimento dos preços na maior economia europeia acelerou de 1,5%, em Outubro, para 1,8%, em Novembro.
Inflação na Alemanha sobe mais do que o esperado para 1,8%
Reuters
Rita Faria 29 de novembro de 2017 às 13:41

A inflação na Alemanha subiu mais do que o esperado em Novembro, num sinal de que o forte crescimento da maior economia da Europa poderá estar a reflectir-se na evolução dos preços.

De acordo com os dados divulgados esta quarta-feira, 29 de Novembro, pelo gabinete federal de estatística, a taxa de inflação aumentou de 1,5%, em Outubro, para 1,8%, em Novembro. O valor superou as estimativas dos economistas consultados pela Bloomberg, que antecipavam um crescimento dos preços de 1,7% face ao mês homólogo.

A economia alemã está a beneficiar do crescimento do comércio global e da recuperação na região da moeda única, assim como do aumento do consumo interno, impulsionado, entre outros factores, pelo baixo nível de desemprego. 

Os dados são divulgados um dia antes de ser conhecida a taxa de inflação de Novembro, na Zona Euro, que os economistas prevêem que terá aumentado para 1,6%, o nível mais alto desde Abril.

Ainda que sejam boas notícias para o Banco Central Europeu (BCE) – que tem como meta uma taxa próxima de 2% - a autoridade monetária já avisou que o crescimento dos preços deverá abrandar nos próximos meses, antes de acelerar novamente.

Após a divulgação dos dados, os juros na dívida na generalidades dos países do euro intensificaram ligeiramente as subidas. Na Alemanha, a ‘yield’ associada às obrigações a dez anos avança 2,9 pontos para 0,368%, enquanto em Espanha sobe 1,0 pontos para 1,471%.

Em Portugal, os juros aligeiraram a descida, seguindo agora a recuar 1,1 pontos para 1,912%, no prazo a dez anos.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Os alemães até deliram com as taxinhas de juro negativas do sr. Draghi.