Zona Euro Inflação na Zona Euro subiu para 0,6% em Novembro

Inflação na Zona Euro subiu para 0,6% em Novembro

A subida dos preços de restaurantes e cafés, rendas e tabaco deram os maiores contributos para a subida da inflação de 0,5%, em Outubro, para 0,6%, em Novembro,
Inflação na Zona Euro subiu para 0,6% em Novembro
Bloomberg
Rita Faria 16 de dezembro de 2016 às 10:37

A inflação na Zona Euro subiu de 0,5%, em Outubro, para 0,6% em Novembro, revela o Eurostat esta sexta-feira, 16 de Dezembro. No bloco dos 28 países da União Europeia a inflação cresceu, igualmente, de 0,5% para 0,6%, quando em Novembro do ano passado, se situava em 0,1%. Esta é a segunda leitura da inflação, confirmando os dados já publicados no final de Novembro. 

No entanto, os dados divulgados pelo gabinete estatístico da União Europeia mostram que seis Estados-membros registaram um crescimento negativo dos preços. As taxas de inflação mais baixas foram verificadas na Bulgária e Chipre (ambas -0,8%). Por outro lado, as mais elevadas registaram-se na Bélgica (1,7%), República Checa (1,6%) e Áustria (1,5%).

Em comparação com o mês de Outubro, a inflação caiu em cinco Estados-membros, permaneceu estável em seus e subiu em 17.

De acordo com o Eurostat, os maiores impulsos para a subida dos preços na Zona Euro vieram dos restaurantes e cafés, e rendas e tabaco, enquanto o gás e combustível para aquecimento, e férias deram os contributos mais negativos.

Apesar da subida registada no mês passado, a inflação na Zona Euro ainda está distante da meta de 2% do Banco Central Europeu (BCE). O crescimento lento da inflação e o crescimento ainda débil da região da moeda única levaram a autoridade monetária a manter os juros no mínimo histórico de 0% na reunião mensal realizada a 8 de Dezembro, e a prolongar o programa de compra de activos até Dezembro de 2017.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub