Conjuntura Inflação na Zona Euro terá voltado a acelerar em Agosto

Inflação na Zona Euro terá voltado a acelerar em Agosto

Os preços na zona da moeda única terão avançado 1,5%, duas décimas percentuais acima do ritmo do mês anterior, graças às subidas do preço da energia, ao ritmo mais elevado desde Abril.
Inflação na Zona Euro terá voltado a acelerar em Agosto
Bruno Simão/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 31 de agosto de 2017 às 10:06
Os preços na Zona Euro deverão ter crescido 1,5% em Agosto em relação ao mesmo período do ano passado, reforçando o ritmo de aceleração em relação aos 1,3% de crescimento registados em Julho.

Segundo o Eurostat, que dá a conhecer os dados preliminares da inflação esta quinta-feira, 31 de Agosto, a concretizar-se esta será a subida mais elevada desde Abril passado, quando os preços cresceram 1,9%.

O valor sai também acima dos 1,4% de subida que era esperada pelos analistas sondados pela Bloomberg. 

A contribuir para esta tendência voltam a estar os preços da energia, que lideram na valorização anual entre as categorias que formam o índice: subiram 4%, também no valor mais elevado desde Abril e comparados com 2,2% um mês antes.

Excluindo a energia, a inflação manteve-se em 1,2%, o mesmo ritmo de crescimento registado em Junho e Julho.

"À primeira vista, a subida da inflação 'core' [excluindo a componente energia] na Primavera parece sugerir que a tendência de subida dos preços reforçou-se visivelmente. Contudo, a taxa mais elevada deveu-se sobretudo ao aumento dos preços de pacotes de férias e alojamento," lê-se numa nota do Commerzbank distribuída aos clientes e a que o Negócios teve acesso.

Quase todas as restantes categorias terão mantido o mesmo nível de crescimento de preços registados em Julho: 1,6% no caso dos serviços; 0,5% nos bens energéticos não-industriais; 0,6% nos alimentos não processados.

Na categoria alimentos processados, álcool e tabaco, os preços terão subido 2%, contra 1,9% um mês antes.

No âmbito do seu mandato para a estabilidade dos preços, o Banco Central Europeu mantém como objectivo alcançar uma inflação próxima, mas abaixo, dos 2%.

Há cerca de uma semana, o presidente do banco, Mario Draghi, considerou que "a convergência da inflação na Zona Euro ainda não é sustentável", e que o BCE deve continuar vigilante, uma vez que a inflação ainda não está na meta pretendida.

A afastar uma evolução maior dos preços está a situação do mercado de trabalho e a lenta alteração no valor nominal dos salários, justificou Draghi em Jackson Hole.

"Ainda não vemos uma tendência de reversão para a inflação, desde logo porque o aumento dos salários é ainda muito baixo e devido à apreciação do euro que, com efeito diferido, irá amortecer o aumento dos preços dos bens não-energéticos," acrescenta a nota do Commerzbank.

O BCE reúne na próxima semana, no âmbito do seu encontro regular de política monetária.

O banco deverá "adoptar uma postura bastante cautelosa. (...) Não quereria pôr em causa as expectativas de que as compras de activos possam ser travadas no próximo ano, mas não acredito que sejam já definidos planos para tal nesta reunião," afirmou à Bloomberg Jennifer McKeown, da Capital Economics. 

"É improvável que o BCE tenha pressa de sair da sua política ultraexpansionista. Provavelmente, ajustará ligeiramente a sua orientação futura no encontro da próxima semana," conclui o Commerzbank.

A autoridade monetária tem em curso um programa de compra de activos (entre os quais títulos de dívida soberana dos países do euro) destinado a reanimar a economia europeia, programa que, desde Abril deste ano, viu a sua meta média de aquisições mensal passar de 80 para 60 mil milhões de euros

Os dados definitivos da inflação relativos ao mês de Agosto serão conhecidos a 18 de Setembro.

(Notícia actualizada às 12:00 com mais informação e referência a nota do Commerzbank)



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
o BCP está prestes a ser ENGOLIDO Há 3 semanas

o BCP está PRESTES a ser ENGOLIDO pelo SANTANDER foi no que deu OS SHORTS porem - no ao PREÇO da UVA MIJONA então se os LUCROS NÃO PARAM DE AUMENTAR só se o SANTANDER for ESTÚPIDO é que não APROVEITA esta BENESSE dos DEUSES

hoje estive a pensar com MEUS BOTÕES Há 3 semanas

BCP ; 40 dias praticamente seguidos SEMPRE A DESCER -- 30 % que ARDERAM então e o SR NUNO AMADO nem uma PALAVRA a minha CONCLUSÃO : ele está em CONLUIO com os SHORTS isto é uma CERTEZA INQUESTIONAVEL agora o PORQUÊ ???

pub