União Europeia Inflação no Reino Unido abranda em Outubro

Inflação no Reino Unido abranda em Outubro

A inflação no Reino Unido desceu para 0,9%, em Outubro, uma evolução que os economistas consideram "temporária" já que os custos de produção estão a aumentar de forma expressiva.
Inflação no Reino Unido abranda em Outubro
Rita Faria 15 de Novembro de 2016 às 12:22

A inflação no Reino Unido abrandou inesperadamente em Outubro, depois de, no mês anterior, ter subido para o nível mais alto em quase dois anos.

 

Segundo os dados divulgados esta terça-feira, 15 de Novembro, pelo gabinete nacional de estatística, os preços no consumidor cresceram 0,9% em Outubro, depois do aumento de 1%, em Setembro.

 

Este indicador ficou abaixo do esperado pelos economistas, que antecipavam que a taxa de inflação iria acelerar para 1,1%.

 

No entanto, os economistas sublinham que este abrandamento é temporário, na medida em que os preços dos factores de produção estão a subir. Em Outubro, cresceram 4,6% - a maior subida mensal desde que se iniciaram os registos, em 1996.

 

Os dados são conhecidos no dia em que o governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, vai falar aos deputados, em Londres, sobre as perspectivas para a inflação.

 

No início deste mês, o Banco de Inglaterra sinalizou que a inflação deverá subir de 1,3% este ano para 2,7% em 2017 e 2018, valores acima do estimado nas previsões divulgadas em Agosto. Em 2019, o crescimento dos preços deverá abrandar para 2,5% e regressar à meta do banco central de 2% em 2020. 

Além das estimativas para a inflação, o banco central do Reino Unido também reviu as previsões de crescimento para a economia britânica, que são agora mais optimistas. O Banco de Inglaterra antecipa que o PIB vai subir 2,2% este ano e 1,4% em 2017, o que compara com as anteriores estimativas de 2% e 0,8%, respectivamente.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub