Europa Inflação no Reino Unido em máximos de 2014, libra recupera

Inflação no Reino Unido em máximos de 2014, libra recupera

Em 2016 os preços subiram 1,6% face ao ano anterior, impulsionados pela queda da libra que se seguiu ao Brexit. Números ficaram acima das estimativas dos economistas, adianta Reuters.
Inflação no Reino Unido em máximos de 2014, libra recupera
Neil Hall/Reuters
Negócios 17 de janeiro de 2017 às 10:40

A inflação britânica subiu mais do que o esperado em Dezembro, fechando a ano a somar 1,6%, atingindo o nível mais elevado desde 2014, indicam dados do organismo oficial de estatísticas divulgados esta terça-feira, 17 de Janeiro.

 

Segundo a agência noticiosa Reuters, a subida foi maior do que era esperado pelos analistas e atingiu o nível mais alto deste meados de 2014. A impulsionar este aumento dos preços está a subida das tarifas aéreas, conjugada com a quebra do valor da libra esterlina, consequência da decisão do Reino Unido de sair da União Europeia.

O valor da libra disparou entretanto, a reflectir a leitura do indicador, chegando a apreciar mais de 1%. A moeda de Sua Majestade ganha 0,73% para 1,2135 dólares.

 

Os especialistas apontavam para um crescimento da inflação na ordem dos 1,4%, segundo uma sondagem efectuada pela Reuters. Em Novembro a inflação estava nos 1,2%. 

O organismo britânico de estatísticas concretizou ainda que o aumento das tarifas aéreas e dos preços dos alimentos, combinado com uma menor queda nos preços da gasolina do que em Dezembro de 2015, estavam por trás do aumento.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub