Américas Inflação nos EUA cai pela primeira vez em mais de um ano

Inflação nos EUA cai pela primeira vez em mais de um ano

O índice de preços ao consumidor ficou aquém do esperado pelos analistas em Março. As vendas a retalho também desiludiram. Mas o mercado espera que seja resultado de um efeito conjuntural e que não deverá evitar novo aumento dos juros em breve.
Inflação nos EUA cai pela primeira vez em mais de um ano
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 14 de abril de 2017 às 15:11
O índice de preços ao consumidor na maior economia do mundo recuou em Março pela primeira vez em mais de um ano (13 meses), acrescentando dúvidas sobre a solidez da evolução da economia dos EUA no primeiro trimestre de 2017.

O índice "core" de preços ao consumidor - que não contabiliza componentes com natureza mais volátil, como os preços dos alimentos ou da energia - recuou 0,1% em Março quando comparado com o mês anterior, anunciou esta sexta-feira, 14 de Abril, o Departamento do Emprego. Foi a primeira queda desde Fevereiro de 2016.

Na evolução anual os preços abrandaram, de 2,2% para 2%, o valor mais baixo desde Novembro de 2015, de acordo com o Financial Times. Os analistas sondados pela Bloomberg estimavam um avanço de 2,3% em Março.

A inflação, um dos indicadores-chave para a avaliação pela Reserva Federal norte-americana para decidir futuras subidas de juros - e para o qual tem um mandato que aponta para atingir uma evolução de preços próxima mas abaixo dos 2% -, foi divulgado no mesmo dia em que se soube que as vendas a retalho caíram pelo segundo mês consecutivo.

Este indicador caiu 0,2% no mês passado - pior que a queda de 0,1% esperada pelos analistas sondados pela Reuters -, depois de ter recuado 0,3% em Fevereiro. Em relação ao mesmo mês de 2016, porém, a actividade comercial registou um crescimento de 5,2%, refere o Departamento do Comércio.

Excluindo a venda de automóveis, de combustíveis, de materiais de construção e da restauração, as vendas aumentaram no entanto: uma subida de 0,5%, comparada com um recuo de 0,2% em Fevereiro.


A queda de ambas as componentes (inflação e vendas a retalho) deverá, no entanto, ser temporária, já que o mercado de trabalho se encontra próximo do pleno emprego. E não deverá também influenciar as expectativas dos analistas de que a Reserva Federal prossiga em Junho com mais um aumento de juros nos EUA, depois de já ter realizado três subidas do preço do dinheiro após a retirada dos estímulos introduzidos para contrariar os efeitos da crise de 2007/2008.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump Há 1 semana

Ja se previa que a desintoxicacao do dinheiro facil que ia ser terrivel.mais uns mesitos e estamos na mesma situacao.Ja ha quem assane com 1000.000.000 la pa o fim da dinastia,fortaleza imbutida.

pub