Segurança Social Inspectores do Trabalho e Segurança Social estiveram hoje na Associação Raríssimas

Inspectores do Trabalho e Segurança Social estiveram hoje na Associação Raríssimas

Elementos da Inspecção-geral do Ministério do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social estiveram hoje na Associação Raríssimas, disse à agência Lusa fonte oficial do Ministério.
Inspectores do Trabalho e Segurança Social estiveram hoje na Associação Raríssimas
Lusa 13 de dezembro de 2017 às 18:27

O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, tinha anunciado na segunda-feira a realização de uma inspecção à Associação Raríssimas, com carácter "urgente, rigoroso e exigente" para "avaliar todas as dimensões da gestão" da equipa dirigida por Paula Brito e Costa.

Esta inspecção foi determinada após a divulgação, no sábado, de uma investigação da TVI sobre a gestão da Raríssimas e que mostra documentos que colocam em causa a gestão da instituição de solidariedade social, nomeadamente da sua presidente, Paula Brito e Costa, que alegadamente terá usado o dinheiro em vários gastos pessoais.

Fonte oficial do Ministério do Trabalho indicou à Lusa que hoje foi dado início à inspecção na Associação Raríssimas, localizada na Moita, onde fica a Casa dos Marcos, unidade de saúde e apoio social da instituição.

O Ministério Público estava também já a investigar a instituição, após uma denúncia anónima.

Paula Brito e Costa anunciou na terça-feira ao Expresso que se demitia do cargo de presidente da Associação Raríssimas, depois da reportagem emitida da TVI.

Também o ex-secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, pediu no mesmo dia a demissão do cargo, depois de uma entrevista à TVI que surge na sequência da reportagem na qual se refere que foi contratado entre 2013 e 2014 pela associação "Raríssimas", com um vencimento de três mil euros por mês, tendo recebido um total de 63 mil euros.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 14.12.2017

Palhaçada. Então o Viera da Silva é suspeito e o Vieira da Silva é que faz a investigação? Meu povo que "roubalheira" descarada. Onde estão os outros órgãos de soberania?

Anónimo 13.12.2017

O ACT é a maior vigarice.
São gatunos encapuçados. Chegam às empresas recebem uns presentes e vão-se embora.
Para disfarçar dão um prazo de alguns dias para apresentar algum documento em falta sobre o pagamento duma pequena coima.
A empresa onde trabalho recorreu ao 2020 deve aos trabalhadores o subsidio de férias, Outubro e Novembro e o ACT e a segurança social não faz nada.

Z27 13.12.2017

"O Ministério Público estava também já a investigar a instituição, após uma denúncia anónima."...
E o titular do Ministério da SS e Solidariedade não tinha conhecimento de nada?
Por mais contorcionismo que o ministro Vieira da Silva faça, o seu lugar é na rua!

Camponio da beira 13.12.2017

Foram rapidos. Inpressionante. Também alguns foram de viagens ao Brasil com a senhora?

pub