Zona Euro Instituto alemão conclui que Alemanha ganhou mais de 100 mil milhões com a crise grega  

Instituto alemão conclui que Alemanha ganhou mais de 100 mil milhões com a crise grega  

A Alemanha "beneficiou claramente com a crise grega", em mais de 100 mil milhões de euros, segundo um estudo divulgado hoje pelo Instituto de Investigação Económica Leibniz, citado pela agência France Presse (AFP).
Instituto alemão conclui que Alemanha ganhou mais de 100 mil milhões com a crise grega  
Reuters
Lusa 10 de agosto de 2015 às 16:10

O instituto, sem fins lucrativos, considerou que aquele valor representa a poupança garantida pela Alemanha através de baixas taxas de juro sobre as suas obrigações, resultantes da atracção da sua economia sobre investidores assustados com a instabilidade grega.

 

Quando os investidores enfrentam dificuldades procuram tipicamente um mercado seguro para o seu dinheiro, e a sólida economia alemã "beneficiou desproporcionalmente" desse facto durante a crise da dívida na Grécia, lê-se no estudo, acrescentando que as poupanças "excedem os custos da crise, mesmo se a Grécia não pagasse todas as suas dívidas".

 

"Nos anos recentes, cada vez que os mercados financeiros souberam de notícias negativas sobre a Grécia, as taxas de juro sobre as obrigações do governo alemão caíram, e cada vez que as notícias foram boas, estas subiram", defende o documento.

 

O Instituto de Investigação Económica Leibniz defende que o equilíbrio orçamental alemão só foi possível graças às poupanças em taxas de juro por causa da crise de dívida grega.

 

Os estimados 100 mil milhões de euros que a Alemanha poupou desde 2010 constituíram cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

 

Outros países como os Estados Unidos, a França e a Holanda também beneficiaram, mas "a um nível muito mais reduzido".

 

O dinheiro investido pela Alemanha em pacotes de resgate internacionais chegou a cerca de 90 mil milhões de euros.

 

Mas segundo o instituto alemão, "mesmo que a Grécia não devolva nem um cêntimo, a bolsa pública alemã beneficiou financeiramente da crise".




A sua opinião36
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso1 10.08.2015

Nada mais imbecil.Toda a Europa "ganhou" na perspectiva destes ignorantes,Não sabem o que é o "mercado",tal como a redação do JN

comentários mais recentes
Anónimo 13.08.2015

o taberneiro «xxx» só fala em manadas e coices o ambiente natural da besta.

cristof 12.08.2015

Foi descoberta aqui peloscarolas do I. Leibniz, uma nova forma de governar. Um país não paga as contas e os outros, que lucram com a competitividade pagam-lhe as contas. Ah grandes tudologos; fazem a delicia das férias de verão.

Rui Faria 11.08.2015

Quem criou a crise foram os gregos que gastaram o que não tinham. Se houve quem ganhou com isso os culpados são os gregos.

Anónimo 11.08.2015

Como é obvio. Agora, que credibilidade tem uma pessoa ao ditar regras sobre uma segunda para esta melhor de vida, se a primeira tem a ganhar caso a segunda nunca melhor? No mínimo existe conflito de interesses.

ver mais comentários
pub