Conjuntura Investimento continua sem sinais de arrancar

Investimento continua sem sinais de arrancar

A economia portuguesa surpreendeu os analistas, com valores de crescimento acima daquilo que se esperava. Os sinais vindos do investimento é que não são ainda os melhores. Economistas antecipam resultados frágeis no terceiro trimestre.
Investimento continua sem sinais de arrancar
Reuters
Nuno Aguiar 20 de Novembro de 2016 às 18:56

Ainda não sabemos o que aconteceu ao investimento no terceiro trimestre do ano. Mas os sinais não são os melhores. O indicador de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), divulgado sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), mostra que o investimento está ainda num nível desapontante. Os economistas também não antecipam boas notícias.

O indicador de FBCF está negativo há cinco meses, tendo estabilizado em -1,3% em Setembro, o que interrompe o movimento descendente iniciado em Abril, graças ao material de transporte, que voltou a registar um crescimento, com um salto de -1,5% para 0,7%, depois de vários meses de variações acima dos dois dígitos.

Por outro lado, as outras duas rubricas apresentaram piores desempenhos. A construção mantém-se negativa, tendo registado um recuo maior em Setembro face a Agosto (-3,1% vs. 2,9%), enquanto as máquinas e equipamento têm uma variação positiva, mas mais modesta (0,4% vs. 1,6%).


Embora o INE ainda não tenha publicado números do investimento do terceiro trimestre, estes indicadores mais "finos" parecem apontar para uma continuação de resultados débeis. Uma ideia com a qual os economistas parecem concordar. "Nada é dito [pelo INE] sobre a evolução do investimento pelo que se depreende que este último agregado poderá ter mantido a trajectória desfavorável observada nos trimestres anteriores", escreve o Núcleo de Estudos de Conjuntura da Economia Portuguesa, da Católica. Filipe Garcia, do IMF, sublinha a mesma preocupação: "Preocupa-nos o que estará a acontecer ao investimento, que não deixa de ser a semente de crescimento futuro e que, receamos, terá tido mais um mau trimestre."

A verdade é que os economistas também não anteciparam um crescimento tão forte da economia entre Junho e Setembro, pelo que podem estar a subestimar o investimento. O Montepio, por exemplo, antecipa uma subida ligeira da FBCF em comparação com o trimestre anterior.

Actividade e clima económico perdem gás

Ainda segundo os dados do INE, "o indicador de actividade económica, disponível até Setembro, e o de clima económico, disponível até Outubro, diminuíram". O primeiro indicador – actividade económica – é quantitativo. Reflecte um síntese de várias séries de dados, como a produção na indústria, o consumo de energia, a venda de combustíveis, de cimento e de carros, por exemplo. Ele apresenta agora um crescimento de 1,3% em Setembro (média móvel de três meses), abaixo dos 1,5% de Julho e Agosto. Está a atravessar um período descendente desde Outubro do ano passado.

O segundo indicador referido – clima económico – tem mais um mês de informação. Ao contrário do anterior, não tenta quantificar a evolução da economia, mas sim espelhar a confiança dos empresários portugueses da indústria, construção e serviços. Esta série apresentava uma tendência de crescimento desde o arranque deste ano e registou em Outubro o primeiro recuo em dez meses, passando de 1,4% para 1,3% (também uma média móvel de três meses).




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

ECONOMIA SURPREENDE ???

SÓ OS DISTRAÍDOS É QUE FORAM SURPREENDIDOS

REGRESSAMOS ÀS TAXAS DE CRESCIMENTO DE HÁ 1 ANO ATRÁS

RESUMINDO: PERDEMOS 1 ANO

ISTO É BOM ???

Miguel Há 2 semanas

A única coisa que eu vejo a crescer de forma sólida é a dívida pública !!!
Nos ultimos 40 anos, não há nada que a faça descer, e quando o PS está no governo, ela dispara como uma maluca... (porcerto uma coincidencia...)
Temos várias gerações futuras reféns da divida, mas ao tuga isto parece normal

Econotretas.... Há 2 semanas

E'claro q o aumento das exportacoes se ficou a dever a encher sacos de ar da serra. O aumento do emprego so pode ter sido provocado plo investimento nessa industria de ar fresco. Como o PPD nao acertou uma unica previsao economica nos ultimos cinco anos os tais economistas devem ser.. os mesmos.

Anónimo Há 2 semanas

O meu caro Aguiar um ferronho da gerigonca falou no fim desta semana no 360 da rtp e disse que maior parte do emprego e precario(da epoca)quem ve com olhos de ver e nao com a nuca rapidamente atinge que a gerigonca cozinha e o charlatao sonhador poe a mesa,o cego ainda o ve como 1 Salvador,ate quand

pub
pub
pub
pub