Angola Investimento de 85 milhões coloca nova marca de cerveja em Angola

Investimento de 85 milhões coloca nova marca de cerveja em Angola

Inaugurada hoje, a unidade fabril com uma área total de 40 hectares e uma capacidade de produção de 144 milhões de litros anuais, possui duas linhas de enchimento, uma das quais para produção da cerveja portuguesa Sagres.
Investimento de 85 milhões coloca nova marca de cerveja em Angola
Paulo Duarte
Lusa 17 de novembro de 2017 às 17:02

A empresária Isabel dos Santos e o marido investiram mais de 85 milhões de euros para lançar uma nova marca de cerveja angolana, através da Sociedade de Distribuição de Bebidas de Angola (Sodiba), que mantém a produção da Sagres.

 

Inaugurada hoje, aquela unidade fabril, com uma área total de 40 hectares e uma capacidade de produção de 144 milhões de litros anuais, possui duas linhas de enchimento, uma das quais para produção da cerveja portuguesa Sagres, que já faz há cerca de um ano, e agora a angolana "Luandina".

 

Presente hoje na cerimónia de inauguração da unidade, após a saída da administração da Sonangol, na quinta-feira, Isabel dos Santos destacou tratar-se de um sonho antigo e uma cerveja que espera levar aos bairros e às comunidades: "Em Angola e se deus quiser no mundo todo", apontou.

 

No discurso de inauguração, Sindika Dokolo, um dos accionistas do projecto, em conjunto com a mulher, recordou que a fábrica materializa um projecto que nasceu em 2003, com o objectivo de alcançar a excelência no sector cervejeiro, que permitisse aos consumidores angolanos usufruir de um produto produzido ao nível de principais marcas mundiais.

 

Em declarações à imprensa, Sindika Dokolo referiu que o investimento inicial previsto foi de 100 milhões de dólares [cerca de 85 milhões de euros], mas esta quantia foi "largamente ultrapassada", para garantir qualidade ao produto e o futuro crescimento.

 

"Já prepararmos a segunda parte da fábrica, com terraplanagem, que vai ser uma duplicação das linhas de produção aqui em paralelo a esta linha que acabamos de inaugurar hoje, então o que levou a um investimento acima dos 100 milhões de dólares, que era o nosso limite", disse.

 

Sobre perspectivas para a recuperação deste investimento, o empresário congolês e genro do ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, refere que "tudo vai depender do mercado", que está num momento de recessão.

 

"Estamos num mercado que tem desafios, tem 'players' muito fortes que estão aqui há muitos anos, ou seja, o jogo da concorrência vai ter que ser feito", salientou.

 

O grupo perspectiva ainda a apresentação ao mercado de outros produtos, mas para já garantir a melhor representação e o escoamento da "Luandina", um projecto completamente novo é o grande desafio.

 

"Vamos trabalhar para reforçar a presença da Luandina no nosso mercado, é uma cerveja premium nacional, cem por cento malte, é um produto bastante ambicioso, exigente", disse.

 

"Temos duas linhas funcionais, uma para a Luandina, uma para a sagres, mas isso obviamente tem evolução, temos uma série de projectos inovadores e o nosso desafio é desafiar um mercado com novos produtos e isso deixamos uma surpresa para o público, mas aqui a pouco vão ouvir falar mais da Sodiba", acrescentou.

 

A inaugurar a fábrica esteve o ministro da Economia e Planeamento de Angola, Luís da Fonseca, tendo ainda o ato contado com a presença da ministra da Indústria angolana, Bernarda Martins.

 

Com o arranque desta fábrica foram criados mais de 300 colaboradores directos, maioritariamente jovens formados localmente em vários ramos, nomeadamente tecnológico, de produção, marketing e comercial.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub