Economia Iraque considera "prematuro" levantar imunidade aos filhos do embaixador

Iraque considera "prematuro" levantar imunidade aos filhos do embaixador

O Iraque considera ser ainda "prematuro" tomar uma decisão acerca do levantamento da imunidade diplomática aos filhos do embaixador iraquiano, que alegadamente agrediram um jovem português.
Iraque considera "prematuro" levantar imunidade aos filhos do embaixador
Miguel Baltazar
Negócios 21 de Outubro de 2016 às 17:20
Em nota enviada às redacções, o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) português diz já ter recebido a resposta do homólogo iraquiano, onde estes último diz "ser ainda prematuro tomar uma decisão a respeito do pedido de levantamento de imunidade".

Dando conta da resposta recebida na passada quinta-feira ao final do dia, o MNE português explica que o ministério iraquiano dos Negócios Estrangeiros agradeceu "as indicações oportunamente fornecidas sobre o sistema judicial e o direito processual portugueses" e explicou que "entende e respeita por completo os procedimentos legais aplicáveis, conduzidos pelas autoridades judiciárias portuguesas".

 

O MNE iraquiano "reitera a vontade de cooperar para o cabal esclarecimento dos factos e dá conta da disponibilidade dos filhos do embaixador iraquiano em Lisboa para serem desde já ouvidos no inquérito em curso".

 

Esta foi a resposta das autoridades iraquianas à nota enviada em 25 de Agosto pelo ministério tutelado por Augusto Santos Silva e em que era solicitado "o levantamento da imunidade diplomática" dos filhos do embaixador iraquiano em Portugal.

 

O MNE português acrescenta ainda que a nota recebida ontem do Governo iraquiano foi já "remetida ao ao Gabinete da Procuradora-Geral da República, para ser considerada no âmbito do inquérito em curso sobre os incidentes de Ponte de Sor".

Este caso diplomático reporta à agressão, em 17 de Agosto último, ao jovem Rúben Cavaco. Alegadamente terão sido os filhos (gémeos de 17 anos de idade) do embaixador iraquiano em Lisboa a perpetrar as agressões, em Ponte de Sor. Rúben Cavaco sofreu múltiplas fracturas, tendo recebido alta hospitalar no início de Setembro.  

Já ao final da tarde, também em nota enviada às redacções, a procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou ter recebido, "através do MNE, a resposta do Estado iraquiano". A PGR informou ainda que a resposta das autoridades iraquianas será incluída no processo que "será juridicamente apreciado pelo Ministério Público".

(Notícia actualizada às 17:25 e às 19:45 com reacção da PGR)



A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado zelagar Há 1 semana

O Iraque é um país dilacerado pela guerra, com governos que não governam, porque Sunitas Xiitas e Curdos, odeiam-se e matam-se mutuamente e diariamente. Só a mão de ferro de Sadan,(de má memória) mantinha aqueles povos violentos unidos. Mesmo assim bate o pé e demora 2 meses a dar uma resposta esfarrapada ao governo Português.
O ataque dos filhos do embaixador ao jovem Português, é o reflexo da violência daqueles povos semi/bárbaros.
Alguém acredita que o Iraque levante a imunidade diplomática aos filhos do embaixador?
A nossa diplomacia/macia, própria dum povo que come fiado, pouco ou nada pode fazer.
Expulsar os filhos do embaixador? não ma façam rir. Portugal quer exportar para lá umas coisitas em troca de petróleo e o melhor é não dar nas vistas.
O jovem que foi agredido (ou a família) que aceite um dinheirito que o embaixador vai certamente oferecer para os calar e pronto, ficamos por aqui.
Imaginem que a agressão tinha sido feita por um cidadão trabalhador duma nossa ex/colónia? é melhor não pensar nisso. Todo o cobarde é forte com os fracos e fraco com os fortes. Boa tarde. Divirtam~se, se poderem.

comentários mais recentes
Ciifrão Há 1 semana

Num país onde se morre pela razões mais fúteis um simples caso de agressão não deve ser coisa grave, pouca importância darão ao caso.

Anónimo Há 1 semana

Para quando o encerramento do Bar Kopus, origem dos desacatos? Julgo que irá ficar tudo igual.

Cardosao Há 1 semana

Portugal deveria se imediato cortar relações diplomáticas,porque este Pais toda a gente sabe qual a sua mentalidade.Não podemos andar de mão beijada com qualquer um.Se o rapaz aagredido,fosse filho de algum colarinho branco,de certeza a coisa corria de outra maneira.Ainda estou à espera que Portugal vá pedir desculpas pois o agredido esta no lugar erradoe à hora errada.

Jaf Molduras Há 1 semana

"Quem se mete com o PS leva" quem quase mata um cidadão português fica impune!!!! Os dois putos fedelhos mal formados ficam a rir de um país inteiro!!!!!! O que se podia esperar de um grande amigo e defensor do eng do curso de domingo!!!!!!!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub