Eleições Isaltino regressa em grande e esmaga o seu delfim Paulo Vistas

Isaltino regressa em grande e esmaga o seu delfim Paulo Vistas

O ex-presidente da câmara de Oeiras, Isaltino Morais, regressou em grande ao município que nos últimos anos foi liderado pelo seu delfim Paulo Vistas. As projecções atribuem-lhe entre 42% e 47% dos votos, o que poderá ser suficiente para ter maioria absoluta.
Isaltino regressa em grande e esmaga o seu delfim Paulo Vistas
Pedro Catarino/Correio da Manhã
Bruno Simões 01 de outubro de 2017 às 20:53

Foi um verdadeiro renascer das cinzas. Mesmo depois de ter estado preso durante praticamente dois anos e de ter ficado fora da cena política desde 2013, Isaltino Morais regressou em grande a Oeiras. A projecção da Católica para RTP atribui-lhe entre 42 e 46% dos votos e a da Intercampus para a TVI entre 42,2% e 47,2%. Um resultado que deverá assegurar entre cinco a seis vereadores – se segurar o sexto, ganha com maioria absoluta.

 

É uma vitória estrondosa de Isaltino e uma derrota da mesma magnitude de Paulo Vistas, o homem que era seu vice e que em 2013 assumiu a liderança do movimento independente de Isaltino por causa da lei de limitação de mandatos. Vistas, que é presidente de Oeiras há quatro anos, recolheu apenas 13 a 15% dos votos, o que deverá garantir-lhe apenas dois vereadores.

 

Vistas mostrou-se surpreendido com os resultados. "Sinceramente fico surpreendido, [o resultado] fica aquém das expectativas mas em democracia é assim, respeitamos a decisão do povo de Oeiras, estamos cá para defender este projecto", declarou à RTP.

 

Outro dos "dinossauros" do poder local, Joaquim Raposo, que foi presidente da câmara da Amadora durante vários anos, terá ficado em terceiro lugar, com 12 a 14% dos votos, o que deve representar um a dois vereadores. O candidato do PSD, Ângelo Pereira, deve ter, ainda de acordo com a projecção da RTP, recolhido 8 a 10% dos votos, o que garante um vereador. Heloísa Apolónia, candidata da CDU, teve o mesmo resultado que o PSD, também segundo a projecção da Católica para a RTP.

 

Na sede de campanha de Isaltino houve uma primeira reacção em que se saudou a redução da abstenção, tendo-se referido que se aguarda "com serenidade a evolução da contagem e oficialização dos resultados".




pub