Conjuntura ISEG revê em alta crescimento do PIB português para entre 1,3% e 1,4%

ISEG revê em alta crescimento do PIB português para entre 1,3% e 1,4%

No relatório "síntese de conjuntura" divulgado pelo ISEG, os analistas do instituto revêm em alta as perspectivas de crescimento da economia portuguesa para o total do ano passado, antevendo que o PIB tenha crescido entre 1,3% e 1,4%.
ISEG revê em alta crescimento do PIB português para entre 1,3% e 1,4%
Miguel Baltazar/Negócios
David Santiago 23 de janeiro de 2017 às 16:07

A economia portuguesa deverá ter crescido entre 1,3% e 1,4% em 2016, antecipa o ISEG no relatório "síntese de conjuntura" dado a conhecer esta segunda-feira, 23 de Janeiro. Esta previsão representa uma revisão em alta face à anterior estimativa que, em Novembro, apontava para um intervalo de crescimento situado entre 1,2% e 1,3%.

 

O ISEG nota que a informação relativa à evolução da economia no quarto trimestre, "apesar de ainda incompleta", permite antecipar "uma aceleração do crescimento homólogo do PIB" em torno dos 2% no período compreendido entre Outubro e Dezembro do ano passado.

 

Para os analistas do ISEG, a melhoria do desempenho do PIB no quarto trimestre justifica a revisão em alta das perspectivas para o total de 2016. "A maioria dos indicadores de confiança globais e sectoriais atingiu, no 4.º trimestre de 2016, tanto em Portugal quanto na Zona Euro, os mais elevados valores do ano", refere a nota divulgada pelo ISEG.

 

"Por outro lado, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) – com variação homóloga negativa nos trimestres anteriores - deverá ter crescido ligeiramente no 4.º trimestre, a avaliar pela variação homóloga positiva do consumo de cimento", pode ainda ler-se no relatório do ISEG.

 

Estas previsões do ISEG parecem confirmar as perspectivas positivas relativamente ao PIB no final de 2016. Ainda na semana passada, o Banco de Portugal divulgou os indicadores coincidentes mensais da actividade económica, que aumentou em Dezembro pelo terceiro mês consecutivo, para o desempenho desde Abril do ano passado, e ainda do consumo privado, que registou uma subida de 2,2% no último mês de 2016, a melhor variação no espaço de um ano.

 

Também na passada semana, a Universidade Católica reviu em alta as previsões de crescimento do PIB, tanto para o ano passado como para 2017. A instituição antecipa que a economia portuguesa tenha crescido 1,3% em 2016, uma estimativa que compara com a expansão económica de 0,9% anteriormente prevista pela Católica e com a de 1,2% definida como meta pelo Governo.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 23.01.2017

Com Passos Coelho havia mais Economia e menos Dívida Pública! Contra factos não há argumentos pese embora a muita propaganda.

Anónimo 23.01.2017

Quando as notícias são positivas para o desempenho do governo, os comentadores de serviço anti-geringonça lol ficam silenciosos.

pub