Mundo Já há cinco nomes para a administração Trump. São todos homens. E brancos

Já há cinco nomes para a administração Trump. São todos homens. E brancos

Dos cinco nomes já confirmados para a futura administração Trump não abunda a diversidade. O Presidente eleito vai falar este sábado com Mitt Romney, que deverá ser convidado para secretário de Estado.
Já há cinco nomes para a administração Trump. São todos homens. E brancos
Reuters
David Santiago 18 de Novembro de 2016 às 18:23

Foram anunciados mais três nomes da futura administração do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump. E, sem grandes surpresas, são homens, brancos e conservadores.

 

Segundo já confirmou esta sexta-feira, 18 de Novembro, a equipa de transição de Trump, o magnata do imobiliário escolheu o senador Jeff Sessions para Procurador-geral (equivalente a ministro da Justiça), o congressista Mike Pompeo para director da CIA e ainda o general Mike Flynn para conselheiro para a Segurança Nacional. Os três já terão aceitado os convites endereçados pelo futuro presidente.

 

Num comunicado entretanto divulgado e citado pela agência Reuters, Donald Trump referiu-se a Sessions como alguém com uma "mente jurídica brilhante" que é "imensamente admirado pelos académicos de direito". Disse estar satisfeito por ter Flynn ao seu lado para o ajudar a "derrotar o radical terrorismo islâmico" e classificou Pompeo como "um brilhante e implacável líder".

 

A escolha destas três personalidades para a sua administração não surge como qualquer tipo de surpresa, até porque ao longo da última semana qualquer um dos três já vinha sendo dado como potencial membro da equipa de Trump. Flynn e Sessions destacaram-se entre os mais fervorosos apoiantes de Trump.

 

Sessions, que chegou a ser também apontado para secretário da Defesa, pertence à ala conservadora do Partido Republicano e é conhecido por defender políticas mais duras em matéria de imigração. No entanto o nome de Sessions terá ainda de ser aprovado pelo Senado. A equipa de transição mostra-se "confiante" de que isso irá acontecer. 

 

Já Mike Flynn, que foi também director da CIA chegou a ser ponderado, segundo avançou na semana passada o jornal online Politico, para Secretário da Defesa, conta com cerca de 30 anos de experiência militar, disse sentir-se "extremamente honrado em aceitar a posição de conselheiro para a Segurança Nacional e servir tanto o país como o futuro presidente da nação".

 

Por fim Mike Pompeo está no Congresso (câmara dos Deputados) desde 2010 e pertence ao movimento ultraconservador Tea Party. É membro do Comité de Inteligência do Congresso e é considerado um dos republicanos mais próximos do futuro vice-presidente, Mike Pence, e durante as primárias republicanas apoiou a candidatura do senador Marco Rubio.

 

Sobe para cinco o número de nomes já conhecidos da administração Trump. No início desta semana já tinham sido anunciados os nomes de Reince Priebus, presidente do Comité Nacional Republicano, como chefe de gabinete Trump e o de Steve Bannon, o ultra-radical e nacionalista que foi até Agosto último do CEO do site de propaganda da extrema-direita Breitbart, e que assumirá as funções de estratega chefe e consultor sénior.

Para já confirma-se a expectativa de que a equipa de Trump seja quase totalmente formada por homens, brancos e muito conservadores. O Politico escreve mesmo que os cinco têm em comum o facto de serem "republicanos do 'establishment'", o que não deixa de ser paradoxal tendo em conta que Trump fez uma campanha contra o sistema e os poderes estabelecidos em Washington.

 

Trump deve convidar Mitt Romney para a sua equipa

 

Os elementos da equipa designada por Trump para coordenar a transição entre a administração Obama e a futura equipa do polémico multimilionário confirmaram ainda à imprensa norte-americana que este sábado vão continuar as conversações para a constituição da próxima administração.

 

Entre as pessoas com quem Trump irá conversar este sábado está Mitt Romney, o candidato republicano que em 2012 perdeu a corrida presidencial para Barack Obama. Romney é apontado como forte possibilidade para o cargo de secretário de Estado.

 

Entretanto, esta sexta-feira Trump conversou ao telefone com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, tendo os dois acordado sobre a "importância" da Aliança Atlântica.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Quando é que os media portugueses deixam de copiar, descaradamente, noticias dos media americanos?
São todos homens, são todos brancos? Qual é o problema? São maus profissionais?
Essa história das "quotas" não pega.

malupe8 Há 1 semana

Olha mas q título este! q nojo destes jornaleiros q continuam com azia por Trump ser agora o Presidente! E q tem q sejam brancos? Já estes jornaleiro foi verificar o governo de Angola e Moçambique por exemplo, a ver se têm brancos e mulheres? Se não tiverem é normal e não temos nada com isso.

Manuel Lopes Há 1 semana

Artigo escrito por um homem branco

tojornais Há 1 semana

Mas para agradar tem de lá por pretos ciganos mulheres fufas gays e outras trampa? Importante mesmo é serem competentes e cumprirem com o que lhes pedem, ou seja, governar bem. Os americanos vão-se enganar em relação ao Tramp pois não faz demagogia é direto. Isso incomoda os do sistema instalado.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub