União Europeia Jantar de May e Juncker não quebrou impasse do Brexit. Conclusão foi "acelerar esforços"

Jantar de May e Juncker não quebrou impasse do Brexit. Conclusão foi "acelerar esforços"

A deslocação de Theresa May a Bruxelas não resultou em qualquer progresso no desbloqueio das negociações em torno do Brexit. Os dois líderes concordaram apenas que é preciso "acelerar esforços".
Jantar de May e Juncker não quebrou impasse do Brexit. Conclusão foi "acelerar esforços"
Rita Faria 17 de outubro de 2017 às 10:29

Na tentativa de desbloquear as negociações em torno do Brexit, a primeira-ministra britânica, Theresa May, deslocou-se ontem à noite a Bruxelas para um jantar com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. No entanto, o encontro entre os dois líderes resultou em pouco ou nenhum progresso, com ambos os lados a emitirem uma declaração onde reiteraram as posições assumidas anteriormente.

Até ao momento, as conversações sobre o divórcio do Reino Unido e da UE não têm dado sinais de avanço, com Londres a recusar-se a dizer quanto está disposta a pagar pela saída, antes de existirem negociações sobre a futura relação comercial, e a UE a não querer debater um eventual acordo comercial sem antes se definir a factura financeira.

"Ambos os lados concordaram que estas questões estão a ser debatidas no quadro acordado entre a UE a 27 e o Reino Unido", anunciou a breve declaração emitido após a reunião entre May e Juncker, acrescentando que os dois responsáveis "analisaram os progressos realizados nas negociações do Artigo 50 até agora, e concordaram que esses esforços deveriam acelerar nos próximos meses".

Esta quinta e sexta-feira, os líderes europeus vão estar reunidos numa cimeira, que tanto a UE como o Reino Unido pretendiam usar para anunciar que haviam sido feitos "progressos suficientes" nas conversações para permitir discussões sobre a relação comercial e o período de transições, temas cruciais para as empresas do país.

Esse cenário, porém, não se confirma. Segundo a Bloomberg, o mais recente esboço das conclusões que serão apresentadas na cimeira apontam para a necessidade de um esforço adicional por parte do Reino Unido, antes que as negociações possam avançar para o tema do comércio.

Do lado do Reino Unido, o sentimento é, pelo contrário, de que o país já cedeu o suficiente. Segundo fontes citadas pela Bloomberg, May assumiu um risco político no discurso que fez em Florença, mo mês passado – garantindo que o país vai pagar o que lhe é devido para o orçamento europeu - e agora precisa de algo em troca para fazer mais concessões.

Os dois lados têm até Março de 2019 para estabelecer um acordo, ou o país sairá, nessa data, do bloco regional de forma desordenada. Theresa May já admitiu essa possibilidade, na semana passada, dizendo que o Governo já está a preparar planos de contingência.

No parlamento, May afirmou, no passado dia 9 de Outubro, que apesar de pretender que as negociações com Bruxelas sejam bem-sucedidas, "também é nossa responsabilidade, como governo, preparar-nos para todas as eventualidades".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 dias

JANTARADAS faustosas isso é que é importante para "resolver estas questões"....

Nada de reuniões!
Uns jantarolas com caviar a mistura e regado com vinho de 69...

Enviem a conta aos contribuintes....

pub