Mundo Japão afasta renegociação do acordo de comércio para facilitar regresso dos EUA

Japão afasta renegociação do acordo de comércio para facilitar regresso dos EUA

O Governo do Japão afastou hoje a possibilidade de voltar a negociar o Acordo de Associação Transpacífico (TPP) para facilitar o regresso dos Estados Unidos, depois de os 11 países restantes terem acertado uma nova versão do pacto.
Japão afasta renegociação do acordo de comércio para facilitar regresso dos EUA
Reuters
Lusa 26 de janeiro de 2018 às 07:20

O executivo japonês reagia assim a declarações do Presidente norte-americano, Donald Trump, que esta quinta-feira disse que consideraria voltar ao TPP se este acordo tivesse melhores condições para o seu país.

 

"Se os Estados Unidos quisessem unir-se, isto não significaria uma nova renegociação, já que o TPP foi um acordo alcançado inicialmente entre 12 países que incluíam Washington", disse, numa conferência de imprensa, o vice-porta-voz do Governo nipónico, Yasutoshi Nishimura.

 

O representante do executivo japonês comentou que "qualquer pequena alteração pode afectar muito a negociação".

 

"O Governo do Japão já explicou as Estados Unidos a importância do TPP e estamos a fazer todos os esforços para a sua rápida entrada em vigor", acrescentou Nishimura.

 

O líder da Casa Branca afirmou esta quinta-feira que admitiria regressar ao TPP mediante "condições substancialmente melhores", já que Washington assinou inicialmente um acordo "terrível" para os seus interesses.

 

Após a recusa da Administração Trump em assinar o TPP original, os restantes 11 países decidiram seguir adiante com o acordo e têm previsto assinar a nova versão do texto no próximo dia 8 de Março, numa reunião no Chile.

 

O TPP original, um ambicioso tratado de livre comércio, pretendia abarcar 40% do PIB global e foi assinado em Fevereiro de 2016 pela Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Singapura e Estados Unidos.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub