Ásia Japão reforça sanções contra a Coreia do Norte

Japão reforça sanções contra a Coreia do Norte

O Japão anunciou hoje um reforço das sanções contra a Coreia do Norte através do congelamento de activos de empresas da China e Namíbia, suspeitas de negociarem com Pyongyang.
Japão reforça sanções contra a Coreia do Norte
Reuters
Lusa 25 de agosto de 2017 às 08:29

Esta iniciativa surgiu alguns dias depois da decisão dos Estados Unidos de tomarem medidas contra dez organizações e seis indivíduos, chineses e russos, acusados de forneceram ajuda financeira à Coreia do Norte, importando nomeadamente o carvão.

"Vamos continuar a insistir fortemente para que a Coreia do Norte avance para a desnuclearização", disse o porta-voz do Governo japonês, Yoshihide Suga, que é liderado por Shinzo Abe (na foto) durante um encontro regular com a imprensa. "É o momento de aumentar a tensão", insistiu.

São visadas quatro empresas chinesas e duas da Namíbia, além de dois particulares.

O papel da China, país mais próximo do regime norte-coreano, é considerado como essencial no dossier, enquanto a Namíbia reforçou os laços com Pyongyang nos últimos anos, de acordo com os meios de comunicação japonesa.

O Japão tinha já imposto sanções similares ao encontro de entidades implicadas na compra de matérias-primas e nos trabalhos de investigação em ligação com os programas nuclear e balístico da Coreia do Norte.

As últimas foram tomadas no final de Julho e implicavam cinco empresas, duas das quais chinesas, e nove particulares.

Os Estados Unidos e os aliados no Pacífico, em particular o Japão e a Coreia do Sul, estão particularmente em alerta desde que o regime de Kim Jong-Un realizou em Julho dois disparos de mísseis balísticos intercontinentais (ICBM).

As tensões intensificaram-se no início de agosto, quando o Presidente norte-americano Donald Trump ameaçou atacar com "fogo e cólera" a Coreia do Norte.

O dirigente norte-coreano respondeu, prometendo disparar mísseis contra o território norte-americano de Guam, no Pacífico, projecto que finalmente decidiu não executar no imediato. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub