Economia Jean-Claude Trichet diz que Portugal tem de avançar nas reformas estruturais

Jean-Claude Trichet diz que Portugal tem de avançar nas reformas estruturais

O antigo presidente do Banco Central Europeu (BCE) Jean-Claude Trichet defendeu que, se Portugal, Grécia e Irlanda tivessem respeitado as regras estabelecidas, em 2010, não teria havido crise, e salienta que Portugal tem de avançar nas reformas estruturais.
Jean-Claude Trichet diz que Portugal tem de avançar nas reformas estruturais
Sobre Portugal, Jean-Claude Trichet, antigo presidente do BCE, considera que "o crescimento constante e sustentável é uma obrigação e exige reformas estruturais".
Lusa 07 de outubro de 2017 às 09:43

"Não é hora de complacência, ainda há muito trabalho a ser feito, o desemprego ainda é alto, a dívida ainda existe e o crescimento é uma obrigação. O crescimento constante e sustentável é uma obrigação e exige reformas estruturais", alertou Jean-Claude Trichet, antigo presidente do BCE, este sábado, em entrevista ao Dinheiro Vivo.

 

Para o responsável europeu, a palavra-chave é crescimento. "Se houver mais crescimento, há mais criação de emprego, mais capacidade de encaixar dívida pendente, o que ainda é um grande problema para muitos países, incluindo Portugal", que, no entanto, "tem recursos humanos fantásticos, uma capacidade fantástica". 

 

Aliás, realçou que Portugal "provou, recentemente, uma capacidade extraordinária no caminho da recuperação. Porque a recuperação é muito impressionante", embora insista que "ainda há muito a fazer, tendo em conta a capacidade e o potencial de Portugal". 

 

Na opinião de Jean-Claude Trichet, a gestão da dívida de Portugal pelo Ministério das Finanças "parece sensata com a substituição apropriada para o endividamento de longo prazo do endividamento de médio prazo", embora nesse nível de endividamento "o que conta é estar a diminuir ano após ano a dívida em proporção do PIB [Produto Interno Bruto], a fim de convencer os investidores".

 

Quanto à crise que levou ao pedido de resgate e período de austeridade, defendeu: "Tivessem Portugal, Grécia e Irlanda respeitado a estabilidade do crescimento e respeitado as regras que estabelecemos na zona euro e não teríamos tido uma crise".

 

No início de 2010, "os mais vulneráveis eram a Grécia, a Irlanda e Portugal", lembrou o responsável que liderava o BCE quando ocorreu a crise financeira internacional de 2008 que acabou por levar Portugal, Grécia e Irlanda a pedir ajuda a externa.

 

À pergunta por quanto tempo mais poderá o BCE continuar a suportar juros historicamente tão baixos, o antigo presidente da instituição disse que "todos os bancos centrais das economias desenvolvidas estão a fazer um trabalho muito difícil para normalizar a situação. Mas, também é crucial que todos os outros parceiros se mobilizem", nomeadamente governos, parlamentos e o sector privado.

 

"Sozinhos, os bancos centrais não podem salvar o dia sem os outros parceiros", concluiu Jean-Claude Trichet.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Vai pastar 08.10.2017

Mete o nariz no teu país ciaozinho

Luis Valente 07.10.2017

Claro! este senhor tem toda a razão, pois com as indicações dele vamos continuar a trabalhar de borla para as empresas suas protegidas e para o bem estar dos Alemães. Para merda já cá temos e senhor Silva e o incompetente Passos.

Falar de Trichet é falar do pior 07.10.2017

que o capital selvagem tem e, todos os expedientes que o rodeiam. Sinónimo de serviçal aos grandes trustes. Trichet colocou-se por opção (não porque fosse obrigado) do lado daquela banca que enganou, explorou, e roubou milhares de milhões em favor de iluminados que gozam esse espólio roubado

Anónimo 07.10.2017

Entenda-se reformas por tirar rendimentos aos mais desfavorecidos e beneficiar o capital, mais do mesmo. Sabichões como este estão sempre do mesmo lado não passam de xulecos de quem trabalha.

ver mais comentários
pub