Política Jerónimo abre a porta a geringonça em Lisboa

Jerónimo abre a porta a geringonça em Lisboa

É a primeira vez que Jerónimo de Sousa se refere, de forma tão directa, ao cenário de coligações após as eleições autárquicas. Lisboa é o laboratório provável para uma reedição da geringonça, agora a nível local.
Jerónimo abre a porta a geringonça em Lisboa
Miguel Baltazar
O secretário-geral do PCP admitiu esta terça-feira a possibilidade de a CDU, coligação que integra PCP e Verdes, vir a estabelecer acordos pós-eleitorais nas eleições autárquicas  "para resolver problemas". Reafirmando que o PCP nunca abdicará de uma candidatura própria, em nome da CDU, Jerónimo de Sousa mostrou, pela primeira vez, de uma forma directa, abertura à realização de acordos à esquerda nas câmaras, à semelhança do que aconteceu, a nível nacional, com o Governo de António Costa.

"Está claro para nós que vamos concorrer no quadro da CDU", disse, citado pela Lusa. "Naturalmente, depois das eleições, nunca tivemos problemas em entender-nos e assumir compromissos com aqueles que querem resolver os problemas das populações, mas na batalha eleitoral vamos concorrer, sem excepções, no quadro da CDU", afirmou, após um encontro com dirigentes da Associação Intervenção Democrática (ID), que faz parte da CDU, juntamente com "Os Verdes".

Esta  é a primeira vez que Jerónimo de Sousa se refere de uma forma directa à possibilidade de coligações pós-eleitorais nas autárquicas. Em entrevista à TSF, a 2 de Outubro, o secretário-geral comunista disse que a CDU terá um "candidato próprio em Lisboa", concorrendo "em todo o espaço nacional". "Não pode ser confundido com a solução política actual", disse então.

A Câmara de Lisboa, actualmente presidida pelo socialista Fernando Medina, tem sido apontada como um palco possível para a reedição de uma geringonça a nível local. Medina é presidente da maior autarquia do país desde Abril de 2015, na sequência da saída de António Costa para líder do PS e candidato a primeiro-ministro.

Com a indefinição à direita - o PSD ainda não tem candidato -, o cenário de Medina vencer sem maioria absoluta faz parte das hipóteses de trabalho. E neste caso, o presidente da câmara poderá precisar dos autarcas eleitos pelo PCP e Bloco de Esquerda. O próprio afirmou em Abril, quando admitiu ser candidato pelo PS, a vontade de dialogar com os restantes candidatos. "É bom ter um diálogo que seja consequente do ponto de vista das políticas e dos protagonistas", disse em entrevista à SIC, e sem antecipar onde esse diálogo poderia levar os candidatos.

Também o Bloco de Esquerda não fecha a porta a este cenário. Catarina Martins, em entrevista ao Negócios, disse que "desde que existam as condições políticas, o BE assumirá essa responsabilidade" de uma eventual coligação pós-eleitoral em Lisboa.

Oficialmente, o Bloco ainda não anunciou o nome do candidato a Lisboa, mas o Expresso avançou que o partido está a construir caminho para que seja Ricardo Robles. O deputado municipal na autarquia de Lisboa tem sido apontado como alternativa a Mariana Mortágua, que se distanciou da corrida. "É tempo de o Bloco valorizar protagonistas, bons autarcas que fizeram um bom trabalho e que têm resultados para mostrar",  disse numa entrevista ao JN citada pelo Expresso.

Na última convenção, em Junho, o Bloco reafirmou pela primeira vez abertura à realização de acordos pós eleitorais, o que também pode ser visto como uma porta aberta a eventuais entendimentos com Fernando Medina.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Vasco Valente Há 1 semana

"Primeira vez"??? O "Negócios" anda distraído...
Nas Autarquias o PCP, desde 1976 (na coligação FEPU, depois na APU, agora na CDU, com ou sem maioria absoluta) sempre teve a preocupação de incluir nas soluções de governação autárquica todos os partidos representados nas Câmaras e nas Juntas.

Ex.votante PSD Há 1 semana

Boa ideia a direita só estraga e saca para os bois.aqui no norte andam a fazer magusto e porco assado para enganar o povo,mas com meu voto não mamam mais.

joao Há 1 semana

portanto estamos conversados, depois o povo lisboeta nao diga que nao sabia do que ia acontecer E MAIS NAEM SEI PARA QUE SERVEM AS ELEIÇOES, O QUE SE PRETENDE E QUE EXISTA SEMPRE MAIORIAS ABSOLUTAS E NAO PARECE QUE SEJA ISSO QUE O POVO QUER.

Anónimo Há 1 semana

Oh Anónimo do "Ouviu-me,pensou:foda-se"
Que raio de arrazoado é esse que não se entende nada??!
Que linguajar é esse?

pub
pub
pub
pub