Impostos Jerónimo de Sousa considera baixa da TSU "inaceitável"

Jerónimo de Sousa considera baixa da TSU "inaceitável"

O secretário-geral do PCP considerou hoje "inaceitável" a baixa da Taxa Social Única (TSU) negociada em concertação social como contrapartida para o aumento do Salário Mínimo Nacional (SMN) para 557 euros em Janeiro.
Jerónimo de Sousa considera baixa da TSU "inaceitável"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 20 de dezembro de 2016 às 12:53

"Em relação à TSU, é inaceitável que seja o Orçamento do Estado a ter de pagar o ponto percentual que foi lá negociado. Estamos em profundo desacordo com isso, que sejam dinheiros da Segurança Social a alimentar, mais uma vez, o lucro dos patrões", disse Jerónimo de Sousa, que liderou a comitiva comunista em encontro com a CGTP, em Lisboa.

 

O líder do PCP e outros elementos vão ainda hoje reunir-se com o Presidente da República, no Palácio de Belém, seguindo-se uma deslocação à sede do Bloco de Esquerda, na manhã de quarta-feira, para também partilhar as principais conclusões do seu XX Congresso, realizado entre 2 e 4 de Dezembro, em Almada. Reuniões com PS e "Os Verdes" também já foram solicitadas, mas devem só realizar-se em 2017.

 

"Achamos muito mal que o caderno de encargos apresentado na concertação social por parte do patronato praticamente tenha sido [todo] preenchido. A resposta ficou por ser dada aos trabalhadores e suas organizações", lamentou ainda Jerónimo de Sousa.

 

O Governo apresentou na segunda-feira uma proposta de actualização do SMN para 557 euros, a partir de Janeiro de 2017, a par da redução de um ponto percentual da Taxa Social Única (TSU) para as empresas.

 

"É verdade que o Governo não teve em conta a nossa proposta de aumento para os 600 euros, mas também em relação às reformas e pensões ficámos isolados, sozinhos, no Orçamento do Estado para 2016. Persistimos e se, a partir de agosto, vai haver o maior aumento de pensões desde os últimos anos e isso deve-se à persistência do PCP", salientou o secretário-geral comunista.

 

Segundo Jerónimo de Sousa, o PCP fará "o mesmo em relação ao SMN".

 

"Têm de nos explicar a razão por que não é possível [aumento para 600 euros], tendo em conta esta desigualdade no plano dos salários, que é preciso combater", garantiu.

 

Actualmente, o salário mínimo nacional é de 530 euros, devendo chegar aos 557 euros, em 2017, e aos 580 euros, em 2018, antes de chegar aos 600 euros, em 2019, conforme o compromisso assumido pelo Governo.

 

Governo e parceiros sociais voltam a reunir-se na próxima quinta-feira, dia 22 de Dezembro, na expectativa de um acordo.

 


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 21.12.2016

As pessoas são um custo para uma empresa, aquilo que a pessoa custa, é o que a empresa está disposta a pagar por ela... ora se Custo=TSU+Salário é o estado que se apropria sem dó nem piedade de grande parte do que as pessoas poderiam ganhar. Qual é o mal de o estado sacar menos às pessoas? Que raio!

Lameira 20.12.2016

Este homem é tonto? Saberá por acaso quantas microempresas familiares existem? E existem porque são pequenos negócios...de família! A carga fiscal é tanta que por vezes uma das soluções é criar uma microempresa para se poder trabalhar dignamente. Que os deputados do seu grupo o instruam!

Hugo 20.12.2016

Mas este bêbado manda em alguma coisa? Quanto muito manda no copo de vinho e pouco mais. Vai praputaktepariu Jerónimo

pub
pub
pub
pub