Política Jerónimo de Sousa culpa presidente do Eurogrupo pela subida das taxas de juro

Jerónimo de Sousa culpa presidente do Eurogrupo pela subida das taxas de juro

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou hoje os presidentes do Eurogrupo e do Mecanismo Europeu de Estabilidade de estimularem a especulação dos mercados e a subida das taxas de juro.
Jerónimo de Sousa culpa presidente do Eurogrupo pela subida das taxas de juro
Bruno Simão
Lusa 03 de fevereiro de 2017 às 19:56

"A razão está na especulação. Os especuladores sentem as costas quentes e sentem-se estimulados pelas declarações contínuas e verrinosos ditotes do presidente do Eurogrupo [Jeroen Dijsselbloem] e do presidente do Mecanismo Europeu de Estabilidade [Klaus Regling], dois capatazes do intratável ministro das Finanças do governo alemão", afirmou Jerónimo de Sousa durante a apresentação da candidatura de Ilda Figueiredo à Câmara do Porto.

 

O secretário-geral do PCP destacou que "nunca como agora o défice das contas públicas foi tão baixo" pelo que, graças aos resultados conseguidos na economia nacional, "seria de esperar" que as taxas de juro nos mercados fossem "mais favoráveis" ao país.

 

"Apesar se ter cumprido o défice, apesar de ter um saldo primário como nunca teve, aqueles senhores repetem publicamente que Portugal tem de avançar com reformas", criticou Jerónimo de Sousa, para quem é isso mesmo "que os especuladores querem ouvir, para assim terem a justificação para aumentarem as taxas de juro no chamado mercado secundário e criarem sérias dificuldades ao financiamento do país".

 

O comunista lamentou que, "face a estas declarações insidiosas", não se ouça "da parte de uma certa direita" qualquer indignação e considerou que "os comentadores de direita" partilham da mesma opinião que o ministro das Finanças alemão.

 

"Tudo isto só mostra que Portugal tem de recuperar a sua soberania, incluindo a monetária", defendeu o líder do PCP, destacando mais uma vez a necessidade de "colocar em cima da mesa a questão da renegociação da dívida" e "a questão do Euro" para recuperar instrumentos "indispensáveis" que permitam resolver os problemas do país, como o desemprego, a precariedade, os baixos salários e baixas reformas.

 




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Os culpados são sempre os de fora, pois os cá de dentro estão a fazer um trabalho "espectacular" e é tudo um mar de rosas, somente os especuladores é que são cegos, por isso não conseguem ver as maravilhas de Costa e Companhia, os juros por isso sobem de 2,327 em Novembro de 2015 para 4,182 ontem ..

pertinaz Há 3 semanas

ENTÃO E O PAI NATAL ???

5640533 Há 3 semanas

Em que planeta vivem os comunistas? Este nao e. Aposto que nenhum deles faz mínima ideia o que e viver em comunismo.

helena costa Há 3 semanas

A culpa para estes cromos não é dos caloteiros, vigaristas, corruptos e ladrões, não senhor, é dos credores, de todos aqueles que emprestam dinheiro a quem vão pedir, de mão estendida.

ver mais comentários
pub