Economia Jerónimo de Sousa diz que nunca devia ter havido uma PPP para o SIRESP

Jerónimo de Sousa diz que nunca devia ter havido uma PPP para o SIRESP

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu na quarta-feira à noite, no Montijo, que a Parceria Público-privada (PPP) do SIRESP nunca deveria ter acontecido e que deveria haver um controlo público desta área das comunicações.
Jerónimo de Sousa diz que nunca devia ter havido uma PPP para o SIRESP
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 29 de junho de 2017 às 00:24

"Em última análise, quando as coisas correm mal, a responsabilidade é sempre dos governos e, por isso mesmo, pensamos que [o controlo público] era uma boa medida", disse Jerónimo de Sousa.

 

O líder do PCP falava durante uma visita às Festas de São Pedro, no Montijo, no distrito de Setúbal, ao ser confrontado com a possibilidade, defendida pelo BE, de haver uma janela de oportunidade para acabar com aquela PPP e passar o SIRESP - Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal para a esfera pública.

 

"No país, cada vez mais se coloca esta necessidade de uma rutura com a política que tem sido seguida, de abandono da floresta e da produção, de desertificação e despovoamento de partes significativas do nosso país, desta política de eucaliptização, em que o que move os grupos económicos não é a floresta nem o ordenamento do território, mas os lucros", acrescentou Jerónimo de Sousa.

 

Confrontado com a intenção do Governo de aproveitar o actual momento para avançar com o ordenamento da floresta na zona de Pedrógão, no distrito de Leiria, Jerónimo de Sousa disse que isso poderia ser feito mesmo com a legislação que está em vigor e que o problema é haver dinheiro para concretizar os projectos.

 

"Mais do que intenções, declarações e, às vezes, até leis, o que era preciso era o investimento concreto, o dinheiro. Toda a gente estará de acordo com 500 equipas de sapadores, a lei prevê isso, mas a grande questão é no plano orçamental", disse Jerónimo de Sousa, defendendo a necessidade de uma política de investimento que exige verbas disponíveis para problemas que já estão identificados.

 

"Sim ou não, vamos, ainda no OE [Orçamento do Estado] de 2017 e no OE 2018, responder com as verbas necessárias, com a questão do cadastro [das zonas florestais] que está colocada, com a questão dos guardas florestais, com a questão do reforço da prevenção - não só do combate, mas também da prevenção, como é que isso se faz? Faz-se com dinheiro, obviamente, com verbas inscritas no OE, não apenas com declarações", disse.

 

Durante a visita às Festas de São Pedro, em que se fez acompanhar pelo cabeça-de-lista da CDU às eleições autárquicas para a Câmara do Montijo, Carlos Almeida, o líder comunista afirmou-se ainda esperançado na reconquista daquele município ao PS, até porque nas autárquicas de 2013 a CDU ficou apenas a 426 votos dos socialistas.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Acredito, é capaz de ter Razão, mas agora há que dentro do possível, tentar dar a volta, e Resolver da melhor forma, se for possível anular algumas,ou melhorar o contrato, acusar uns aos outros é desperdiçar energias,e não Resolver nada.

CaTu Há 2 semanas

O PCP deveria perceber que não pode ser oposição e apoiar um governo composto por gente que esteve envolvida nos contratos PPP do SIRESP e das Ex-Scuts e que na sua ação nada faz para equilibrar estes negócios ruinosos. Por exemplo, exige o PCP a renegociação da dívida mas sobre as PPPs nada. Porque não aplicar um imposto especial sobre os lucros de PPPs manifestamente ruinosas para o Povo e a classe trabalhadora?

Juca Há 3 semanas

Com o PCP, não haveria fogo. Com os bufos a vigiar a malta, não havia palhaço que se atrevesse nem a assar sardinhas. Só se poderiam comer na festa do Avante.

Skizy Há 3 semanas

Sempre a mesma cassete

pub
pub
pub
pub