Eleições Jerónimo de Sousa diz que resultado das autárquicas se deveu a "hostilização" ao PCP

Jerónimo de Sousa diz que resultado das autárquicas se deveu a "hostilização" ao PCP

O secretário-geral comunista disse esta quinta-feira que o resultado do PCP nas autárquicas se deveu a um "quadro de hostilização" feita ao longo dos últimos meses, criticando os "cangalheiros e frustrados" que vaticinam "até à exaustão" a morte do partido.
Jerónimo de Sousa diz que resultado das autárquicas se deveu a "hostilização" ao PCP
Lusa 05 de outubro de 2017 às 19:39

"Não se pode omitir o quadro de hostilização que acompanhou a intervenção do PCP e da CDU ao longo dos últimos meses e a sua negativa influência na afirmação do nosso trabalho, da nossa obra, da nossa intervenção e do nosso próprio projecto", afirmou Jerónimo de Sousa durante a sua intervenção num comício em Matosinhos sobre o tema "Defender, repor e conquistar direitos".

 

O líder comunista falou ainda de uma "campanha sistemática de ataque anticomunista que, com pretextos diversos, procurou avivar preconceitos, atribuir ao PCP posicionamentos e valores que não são seus" e de uma "acção persistente de desvalorização do papel do PCP na vida política nacional, silenciando a sua actividade e iniciativas, incluindo dando a terceiros e projectando noutros o que era o resultado da sua iniciativa e trabalho".

 

Num discurso de quase meia hora no Cineteatro Constantino Nery em Matosinhos, que foi pequeno demais para todos os militantes que queriam ouvir o líder do PCP, Jerónimo de Sousa salientou que nesta "acção geral de ataque" e "desvalorização" do partido houve um "papel assumido pelos outros principais partidos", nomeadamente PS e BE.

 

"Vimos uma intervenção do PS a desenvolver uma acção a partir dos seus candidatos e alguns dirigentes partidários, particularmente concentrada em municípios de maioria da CDU, de ataque à gestão da CDU baseada em argumentos falsos e muitas vezes ofensivos", atirou o secretário-geral, criticando também a "opção do BE de fazer da redução da influência da CDU o seu objectivo principal, não olhando a meios para, por via da falsificação e mesmo da calúnia, denegrir a CDU e o poder local".

 

Após a batalha eleitoral agora travada, que resultou na perda pela CDU de 10 presidências de câmaras municipais, Jerónimo de Sousa salientou que aquela força política conquistou "mais de meio milhão de votos" e que nada "afrouxa a determinação do PCP de continuar a intervir para responder aos interesses e aspirações dos trabalhadores e do povo".

 

Já sobre "os vaticínios anunciados e repetidos até à exaustão da morte e declínio do PCP", o líder comunista aproveitou para "dizer a esses frustrados cangalheiros" que o partido irá continuar na luta, "nas horas boas e nas horas más". "A primeira nota sobre os resultados eleitorais que aqui queríamos deixar, e para lá de todas as considerações e balanços do dever e haver de maiorias municipais, é a de que os resultados obtidos pela CDU continuam a confirmá-la como a grande força de esquerda no poder local", sublinhou.

 

Jerónimo de Sousa destacou ainda a "confirmação da força da CDU em importantes concelhos do país" bem como as "posições nas autarquias em que assume a presidência - 24 municípios e 139 freguesias" e a "significativa presença da CDU no conjunto dos órgãos autárquicos" com "171 vereadores, 619 eleitos em Assembleias Municipais e 1.665 em Assembleias de Freguesia".

 

Já sobre a derrota em 10 autarquias - nove municípios para o PS e uma para um movimento de independentes - o secretário-geral reiterou ser esta uma "perda, sobretudo para as populações, para o serviço público, para os direitos dos trabalhadores das autarquias".

 

Ainda em análise aos resultados da noite de domingo, Jerónimo de Sousa assinalou o "falacioso argumento de combate a 'maiorias absolutas' concebido para retirar votos à CDU e que merecia uma mais ampla denúncia".

 

Denunciou ainda como "muitas pessoas que dirigiam palavras de reconhecimento" pelo papel do PCP na derrota do governo de direita e que não "tinham tomado a consciência de que a possibilidade de assegurar que esse caminho prosseguisse, e se ampliasse, residia no reforço do PCP e do PEV, e não no PS". "E isso pesou no resultado eleitoral e ampliou-se à medida que o PS anunciava que precisava de mais força para prosseguir a sua acção governativa. Em certa medida, e para uma parte da população, as eleições locais foram transformadas em eleições de natureza nacional", criticou.

 

Antecipando as próximas semanas, Jerónimo de Sousa deixou uma mensagem: "aqueles que fazem o aproveitamento negativo dos resultados eleitorais contra o PCP, só podem esperar a nossa ainda mais decidida determinação na dinamização da acção política e do reforço do PCP para as batalhas futuras que aí estão".

 

A CDU - que junta comunistas, ecologistas e independentes - obteve um dos piores resultados de sempre em eleições autárquicas baixando de 34 para 24 presidências de municípios. Almada (Setúbal) e Castro Verde (Beja) foram dois dos municípios que estavam sob a sua liderança desde 1976, ano em que se realizaram as primeiras eleições autárquicas em democracia, e que passaram para os socialistas. Já o PS garantiu o melhor resultado desde 1976, conquistando, sozinho, 159 das 308 câmaras, incluindo a da capital, mas sem maioria absoluta.




A sua opinião30
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
AA 06.10.2017

ESTE CASSETE CAMARADA JERÓNIMO AINDA NÃO PERCEBEU (OU NÃO QUER PERCEBER) QUE AO ALIAR-SE AO PS TRAIU MUITA GENTE QUE CONTRA O ARCO DO ROUBO VOTOU NELES A TÍTULO DE PROTESTO. AGORA DIZ-SE HOSTILIZADO... COITADINHO.

ADN e matriz do PCP são como o algodão : não engan 06.10.2017

Jerónimo fala da democraticidade interna dos órgãos do PCP, na discussão dos problemas.
Pois é, meu caro !
Só que, cá fora, nada se nota dessa "democracia", de que foram agora exemplo as suas lamentáveis e vergonhosas "queixinhas", o que prova que só o Partido Único o encanta.

O ADN e a matriz do PCP são como o algodão : não e 06.10.2017

Jerónimo fala da democraticidade interna dos órgãos internos do PCP, na discussão dos problemas.
Pois é, meu caro !
Só que, cá fora, nada se nota dessa "democracia", de q foram agora exemplo as lamentáveis e vergonhosas "queixinhas" de Jerónimo de Sousa, o q prova que só o Partido Único o encanta.

O mau perder do PCP 06.10.2017

O PCP continua imerso numa cultura de monolitismo ideológico, paredes meias com vocação para o totalitarismo.
Supõe-se na posse da infalibilidade e da verdade absoluta e exige o direito a não ser censurado.
É este o seu conceito de "democracia".
Tudo por via dos elementos da linha dura do C.C.

ver mais comentários
pub