Política Jerónimo de Sousa: "Maiorias do PS já houve muitas", mas não bastam

Jerónimo de Sousa: "Maiorias do PS já houve muitas", mas não bastam

O secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, afirmou esta quinta-feira que "maiorias do PS já houve muitas, até absolutas", mas considerou que tal não basta para Portugal ter políticas "a favor dos trabalhadores e do povo".
Jerónimo de Sousa: "Maiorias do PS já houve muitas", mas não bastam
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 21 de setembro de 2017 às 23:10

"Sim, estamos aqui para mudar o rumo deste concelho do Montijo. Os anos de governação PS no Montijo são a prova, tal como na história do nosso processo democrático, de que não basta uma maioria PS para se realizar uma política a favor dos trabalhadores e do povo, para valorizar o tecido económico. Maiorias do PS já houve muitas e até maiorias absolutas", disse Jerónimo de Sousa no pavilhão dos Bombeiros Voluntários montijenses, num jantar- comício autárquico.

 

Fazendo, depois, uma leitura nacional, o líder do PCP sublinhou que, "no país, foi indispensável o PCP e o PEV terem uma força que se tem revelado determinante na Assembleia da República para condicionar as opções políticas, para que se garantisse o rumo de reposição e defesa dos direitos e rendimentos roubados".

 

Jerónimo de Sousa voltou, a seguir, à situação local, apontando a CDU como "real alternativa à gestão desastrosa do PS" no Montijo, reforçando a "diferença do voto" na força política, que junta comunistas ecologistas e independentes, em virtude do seu "trabalho, honestidade e competência" demonstrados nas autarquias.

 

"Aqui, no Montijo, seria necessário a CDU ganhar a câmara para se abrir um tempo novo a favor das populações do concelho. Tal como a CDU garantiu, pela sua persistência, alterações legislativas e orçamentais que, apesar ainda de insuficientes, permitiram aliviar os pequenos e médios empresários, seja por via da redução no Pagamento Especial por Conta ou do IVA da restauração", exemplificou.

 

Segundo o secretário-geral comunista, é necessária "uma outra política que defenda o pequeno comércio do garrote das grandes superfícies comerciais, contrariando o rasto de definhamento que anos de gestão PS induziram" no Montijo.

 

"É esta concepção de participação que privilegiamos e não a de simulacros participativos dirigidas a parcelas residuais dos orçamentos", declarou, destacando ser a "proximidade e a relação directa com os problemas e as populações" que dão à CDU "uma acção distintiva pelo exercício de cargos públicos, norteada pela recusa de benefícios pessoais".

 

São candidatos à Câmara do Montijo Nuno Canta (PS), João Afonso (PSD/CDS-PP), Carlos Almeida (CDU), Cipriano Pisco (BE) e Filipe Rodrigues (PAN).




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub