Política Jerónimo de Sousa: Moção de censura do CDS-PP nada tem a ver com os incêndios

Jerónimo de Sousa: Moção de censura do CDS-PP nada tem a ver com os incêndios

Jerónimo de Sousa ressalvou que o PCP está ainda "em fase de avaliação" e não quis declarar já o seu sentido de voto.
Jerónimo de Sousa: Moção de censura do CDS-PP nada tem a ver com os incêndios
Bruno Simão
Lusa 18 de outubro de 2017 às 23:02

O secretário-geral do PCP acusou hoje o CDS-PP de apresentar uma moção de censura ao Governo por motivos que nada têm a ver com os incêndios e afirmou que o seu partido votará com base nesta análise.

 

Jerónimo de Sousa, que falava aos jornalistas no final de uma audiência no Palácio de Belém, em Lisboa, ressalvou, porém, que o partido está ainda "em fase de avaliação" e não quis declarar já o seu sentido de voto.

 

"Mas, de qualquer forma, quero reafirmar que o nosso ponto de partida será o objectivo que o CDS tem com esta moção que, como digo, não tem nada a ver com a preocupação dos incêndios", acrescentou.

 

Segundo o secretário-geral do PCP, "o CDS não está interessado na resolução dos problemas da floresta, dos incêndios, está a fazer um exercício - com o direito constitucional que lhe é reconhecido, obviamente - político e partidário que não tem nada a ver com aquilo que é fundamento para a apresentação, que é a questão dos incêndios em Portugal".

 

Questionado se a reacção do PCP à moção de censura do CDS-PP significa que o partido não subscreve a ideia defendida pelo Presidente da República de que se impõe uma clarificação do apoio ao Governo no parlamento, Jerónimo de Sousa não respondeu directamente.

 

"Isso é uma avaliação do senhor Presidente da República, que não esteve aqui em apreciação, obviamente", disse, reiterando em seguida o entendimento de que a moção do CDS-PP nada tem a ver com os incêndios.

 

De acordo com Jerónimo de Sousa, a solidez da "posição conjunta" do PCP com o PS "não esteve em apreciação" nesta reunião com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

 

Interrogado sobre a escolha de Eduardo Cabrita, até agora ministro Adjunto do primeiro-ministro, para substituir Constança Urbano de Sousa na Administração Interna, o secretário-geral do PCP escusou-se a comentar nomes.

 

"Os senhores jornalistas conhecem o nosso critério geral. Sempre consideramos que o problema, a avaliação não está na pessoa, mas sim nas políticas que executa, nas políticas que concretiza. Portanto, esta é a opinião do PCP em relação à solução encontrada, que é da responsabilidade do primeiro-ministro", respondeu.

 

"Interessa-nos, de facto, as políticas que se concretizam, mais do que as pessoas", reforçou.

 

Na sequência dos incêndios que deflagraram no domingo, e mataram, pelo menos, 42 duas pessoas, o PCP pediu para ser recebido pelo Presidente da República, e também pelo primeiro-ministro e pela procuradora-geral da República.

 

Jerónimo de Sousa esteve reunido com Marcelo Rebelo de Sousa durante mais de uma hora, acompanhado pelos dirigentes nacionais do PCP Jorge Cordeiro, João Frazão e João Oliveira, líder da bancada parlamentar comunista.

 

 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
O Costa Devia pôr a Governação nas Mãos PR 25.10.2017

Como esta Malta está á frente do País, não percebem NADA de Política, nenhum Português, seja de que Côr fôr aceitaria a queda deste Orçamento de Estado, que trás muitos anseios a todos os Portugueses,O melhor que aconteceu ao PSD e CDS foi a Queda da Censura, de outra forma estariam em maus Lençóis,

pertinaz 19.10.2017

A ESCUMALHA, ALIADA AOS JORNALEIROS AVENCADOS TENTA ABAFAR A TRAGÉDIA DOS INCÊNDIOS...!!!

Anónimo 19.10.2017

Realmente é anedótico este partido. Nem sequer já têm espelhos. Façamos esta infeliz história mas com a direita no governo... ui imaginem...

Infelizmente é triste que existam pessoas que acreditam ainda nestes palhaços de esquerda (que se preocupam apenas com a sua condição, enganando os seus eleitores).

Governo abaixo!!

Vagabundo 19.10.2017

Mas este pensa que está no PAK JURÁSSICO PORTUGANLADIA???
ÈS UM AUTENTICO PALHAÇO COM MENTALIDADE DE BURRO....

ver mais comentários
pub