Política Jerónimo responde a Porfírio: Agenda de esquerda para uma década depende do PS

Jerónimo responde a Porfírio: Agenda de esquerda para uma década depende do PS

"Cada vez mais somos confrontados com constrangimentos que podem determinar muito do futuro", sustentou o líder comunista, pedindo "uma clarificação" do PS face a esses "constrangimentos externos".
Jerónimo responde a Porfírio: Agenda de esquerda para uma década depende do PS
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 04 de fevereiro de 2017 às 17:17
O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, disse hoje, em Viana do Castelo, que a definição, pela esquerda, de uma agenda política para a década depende de "uma clarificação" do PS face aos "constrangimentos externos".

"Sem uma clarificação por parte do PS é um bocado, sem sentido, estar a definir, a essa distância de tempo, uma solução", afirmou o líder comunista durante um almoço convívio na capital do Alto Minho, que reuniu mais de 200 militantes.

Jerónimo de Sousa, que reagia à posição assumida pelo dirigente socialista Porfírio Silva em entrevista ao DN, acrescentou que "a definição dessa agenda faz-se a partir de coisas concretas".

"Nós hoje valorizamos muito os avanços alcançados durante o tempo da nova solução política mas a verdade é que cada vez mais somos confrontados com constrangimentos que podem determinar muito do futuro", sustentou.

Porfírio Silva defendeu que a esquerda tem de "pensar numa agenda para a década", mostrando ao país que é tão capaz como "os outros" de garantir a estabilidade governativa.

Em entrevista ao Diário de Notícias (DN), o membro do Secretariado Nacional do PS e dirigente próximo de António Costa excluiu as eleições autárquicas do âmbito do acordo, para que não prejudique "a eficácia, a solidez e a estabilidade da maioria parlamentar".

"Temos de aumentar a ambição. E isso para mim significa responder a esta pergunta: que legado queremos deixar ao país ao fim de duas legislaturas? Estou a pôr a questão em termos de ambição estratégica", acentuou.

Para Jerónimo de Sousa, a definição dessa agenda depende da capacidade de serem "vencidos os constrangimentos que, quotidianamente, são impostos".

"Estas exigências, esta pressão, esta chantagem da União Europeia (UE). Na semana passada foi o presidente do Eurogrupo a querer dar lições e a impor soluções porque não gostam desta solução política. Obviamente, se não vencermos estes constrangimentos que, quotidianamente, nos são impostos - uma vez é défice, outras vezes é a dívida, outras vezes é o euro, outras vezes são os mecanismos e os tratados da UE - não poderemos determinar o futuro", sublinhou.

O líder comunista disse que "felizmente tem havido uma grande clareza com o PS, uma grande franqueza e honestidade de relacionamento" mas destacou que "a bota não bate com a perdigota".

"Nós precisamos de crescer, de criar mais riqueza, de um desenvolvimento económico soberano, mas depois estes senhores a dizerem-nos que não podemos fazer isso. Isso é um problema que temos que resolver", defendeu.

Questionado sobre o anúncio feito, na sexta-feira, pelo Presidente da República de que a agência de 'rating' Fitch iria manter a notação da República Portuguesa inalterada, Jerónimo de Sousa afirmou que as suas declarações saem reforçadas com esses dados.



A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 05.02.2017

PCP = PARTIDO COMPLETAMENTE PODER E ULTRAPASSADO, AINDA VIVEM EM 1911 NO TEMPO DO LENINE, VALHA-NOS DEUS.

O PS COM A MAIORIA ABSOLUTA É UM GRANDE PERIGO 05.02.2017

O desgoverno PSD / CDS foi o maior cóio de ladrões a quem vive (ou já viveu) do esforço do seu trabalho, pelo que esta solução de um governo, com incidência parlamentar e apoio dos partidos se esquerda foi a melhor solução encontrada.
PORÉM, CAUTELA !
O PS COM A MAIORIA ABSOLUTA É UM GRANDE PERIGO

Black Fraude 04.02.2017

Uma década?

Anónimo 04.02.2017

Ai tenho tantas saudades do sr engenheiro! Homem brilhante e distinto! Ele é que sabia pois ele é que tinha os livros!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub