Finanças Públicas Jerónimo vê no défice razões para mais direitos e rendimentos

Jerónimo vê no défice razões para mais direitos e rendimentos

O secretário-geral comunista reagiu aos números do défice e avisou que este não é tempo para recuar na devolução de rendimentos.
Jerónimo vê no défice razões para mais direitos e rendimentos
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios com Lusa 22 de setembro de 2017 às 13:18
O secretário-geral comunista considerou hoje os dados sobre o défice uma "evolução positiva" que confirma os benefícios da devolução de rendimentos e direitos aos portugueses, defendendo que o Governo socialista tem de continuar e não travar tais políticas.

"É uma evolução positiva que registamos, mas que confirma outro facto relevante: esta política de reposição de rendimentos e direitos aos trabalhadores e ao povo português teve consequências directas nesse resultado, tendo em conta a possibilidade de algum aumento do poder de compra e as famílias estarem mais tranquilas em relação ao seu futuro", disse Jerónimo de Sousa.

Entre "arruadas" autárquicas em Alcácer do Sal e Grândola, dois municípios presididos pela CDU, que junta comunistas, ecologistas e cidadãos independentes, o líder do PCP voltou-se contra a "ditadura do défice" e a "pouca flexibilidade" de um Governo que tem um "amarramento" aos "ditames" da União Europeia.

O défice orçamental foi de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro semestre deste ano, uma diminuição face aos 3,1% registados no período homólogo, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

"Daqui pode-se tirar uma conclusão: este é o caminho a prosseguir e a aprofundar e não parar e recuar", afirmou Jerónimo de Sousa.

O défice orçamental dos primeiros seis meses revela também uma ligeira melhoria face ao primeiro trimestre do ano, quando representou 2% do PIB, mas fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano: obter um défice de 1,5% do PIB.

"Há aqui uma contradição que tem de ser resolvida: todos consideramos, o próprio Governo também, que foi a reposição de rendimentos e direitos que permitiu uma evolução positiva na economia, então há que aprofundar e desenvolver e não parar ou abrandar em nome de um rigor", insistiu o secretário-geral comunista.

Sobre as negociações do Orçamento do Estado para 2018, Jerónimo de Sousa descreveu que o seu partido está nas reuniões com o executivo de António Costa "sem nenhuma linha vermelha", mas a bater-se pelas próprias propostas, "fundamentando-as, demonstrando que é possível este avanço e este progresso".



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 22.09.2017

Que gente tão irresponsável, como é possível. Vergonhoso. Querem gastar, gastar, gastar e deixar a conta para os filhos pagarem. Nasceram com o Rei na barriga, acham que têm direito a tudo, custe a quem custar. Numa País a sério o presidente não permitia estas irresponsabilidades em público

Anónimo 22.09.2017

Força aí! Pois parece que os chineses também vão começar a entrar com o carcanhol!

Mr. Tuga 22.09.2017

Pelo menos esta nulidade é "coerente".

Gabam-se tanto do défice...

Anónimo 22.09.2017

O jericónimo dizê-lo não surpreende. Que os devotos da sua igreja acreditem, também não. O gado de quatro patas sempre tenta fugir ao cão e ao pastor e procurar o pasto mais fresco. Mas estes parece nem disso serem capazes. Pastor assobia, devoto salta e nem pergunta para onde.

pub