Angola João Lourenço: Forma como Portugal lidou com o caso Manuel Vicente é uma "ofensa"

João Lourenço: Forma como Portugal lidou com o caso Manuel Vicente é uma "ofensa"

"Lamentavelmente" Portugal não acedeu a transferir o processo do antigo vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, para o país, revelou João Lourenço.
A carregar o vídeo ...
Celso Filipe 08 de janeiro de 2018 às 10:37
O Presidente de Angola classificou como uma "ofensa" o facto de Portugal não ter acedido a transferir o processo do ex-vice-presidente do país, Manuel Vicente, para Angola.

João Lourenço explicou, numa entrevista colectiva que está a conceder esta segunda-feira, 8 de Janeiro, em Luanda, que Angola pediu a transferência do processo de Manuel Vicente para o país africano, ao abrigo de um acordo judiciário que existe no quado da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa) e que Portugal recusou o pedido alegando não confiar na justiça angolana.

"Portugal, lamentavelmente, não satisfez o pedido", sublinhou João Lourenço. O líder angolano afirmou que a intenção deste pedido não é de "livrar" Manuel Vicente das acusações nem "a pedir que o processso seja arquivado". O Presidente angolano adiantou que vai continuar atento a este dossiê.

Qurstionado pelo delegado da RTP sobre o que será necessário para que as relaçãoes entre Portugal e Angola regresse a níveis de normalidade, João Lourenço respondeu: "apenas um gesto". E esse gesto, de acordo com o líder angolano, passa por remeter o processo Manuel Vicente para Angola. Se isso acontecer "as relações voltam à normalidade" acrescentou João Lourenço. "Não estamos a pedir o arquivamento ou absolvição" do processo que envolve Manuel Vicente, adiantou.

Quano às medidas que poderá tomar caso não exacta um despacho favorável a estas pretensões, João Lourenço foi lacónico: "não posso revelar". "Temos toda a paciência deste mundo. Vamos continuar à espera do desfecho deste caso", disse João Lourenço. 





A sua opinião33
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 08.01.2018

Democracia versus Plutocracia/Ditadura.
Não há dinheiro no mundo que valha não andarmos de cabeça erguida.

comentários mais recentes
O PR angolano 09.01.2018

Além d determinado e corajoso,é um homem inteligente.Ele quer lá o processo p/ter o Miguel Vicente na mão q é o mesmo q ter Eduardo dos Santos e o resto da pandilha..

Jorge Cunha 08.01.2018

Nem me passa pela cabeça que Portugal ceda às chantagens de Lourenço. Nem tal é permitido pela UE que exige a separação de poderes. Mas também espero que não seja verdade que o Governo português não entrega o processo POR NÃO CONFIAR NA JUSTIÇA ANGOLANA.
O Governo não tem nada com isso. É com eles

CARO PR, PORTUGAL NÃO É REPÚBLICA DAS BANANAS 08.01.2018

João Lourenço tem de meter na cabeça, de uma vez por todas, q em Portugal os Poderes Executivo e Judicial são SEPARADOS e q não existe a promiscuidade, que ele, João Lourenço, está a exigir
O PR DE ANGOLA É Q ESTÁ A OFENDER PORTUGAL E OS PORTUGUESES, EXIGINDO PRESSÕES QUE, NO SEU PAÍS, SÃO TRIVIAIS

Este sr. ñ pode exigir dignidade p/ si e ñ p/ os o 08.01.2018

Outra coisa q o PR angolano tem de interiorizar é q as chantagens económicas com q vem, leva-as de volta
Nem tudo se reduz ao economicismo, além de q A DIGNIDADE DE UM POVO, NESTE CASO, O PORTUGUÊS, NÃO ESTÁ À VENDA

A PROPÓSITO DE ECONOMIA, Q TAL PAGAR O Q ESTÁ EM DÍVIDA A EMPRESAS PORTUGUESAS ?

ver mais comentários
pub