Américas José Eduardo dos Santos pede maior diálogo e cooperação internacional aos EUA

José Eduardo dos Santos pede maior diálogo e cooperação internacional aos EUA

O Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, felicitou Donald Trump pela eleição, esperando que o seu mandato impulsione um período de "maior diálogo e cooperação internacional".
José Eduardo dos Santos pede maior diálogo e cooperação internacional aos EUA
Lusa 09 de Novembro de 2016 às 13:31
Numa nota de imprensa da Casa Civil do Presidente da República angolano, divulgada ao final da manhã, informa-se que José Eduardo dos Santos felicitou Donald Trump pela vitória, numa declaração que também dá conta da aspiração de que esta eleição "se traduza em prosperidade e felicidade para o povo americano".

Ao mesmo tempo, este resultado eleitoral deve permitir "um período de maior diálogo e cooperação internacional", capaz de "viabilizar a resolução dos problemas mais cadentes da actualidade e propiciar mais paz e segurança" no mundo.

Na mesma mensagem é referida a vontade do chefe de Estado angolano em "estreitar as relações de amizade e cooperação mutuamente vantajosas" entre Angola e os Estados Unidos da América.

A 17 de Outubro, na leitura do anual discurso do Estado da Nação, o Presidente angolano responsabilizou a política externa dos últimos presidentes dos Estados Unidos pela instabilidade em África e no Médio Oriente, pedindo uma "neutralidade mais activa" às Nações Unidas.

No discurso na Assembleia Nacional, em Luanda, José Eduardo dos Santos responsabilizou directamente as administrações de George W. Bush e de Barack Obama.

"Cada um com a sua especificidade e com o beneplácito dos seus aliados", disse.

Angola, o maior produtor de petróleo em África, é um tradicional aliado da Rússia, Cuba e mais recentemente da China, sendo actualmente membro não permanente do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.

"Utilizando a força, os Estados Unidos levaram a cabo intervenções em várias partes do mundo para impor os seus valores políticos, com resultados adversos. Acabaram assim por gerar mais instabilidade no Médio Oriente, na Ásia e em África, onde não conseguiram nem impor a paz, nem desencorajar os movimentos terroristas", afirmou José Eduardo dos Santos.

O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, venceu as eleições, derrotando, contra o que previam as sondagens, a adversária democrata, Hillary Clinton.

No discurso de vitória, Donald Trump garantiu que será o Presidente de todos os americanos e que é hora de os norte-americanos curarem as feridas da divisão e se juntarem "como um povo unido".

Garantiu também que os Estados Unidos irão "dar-se bem com todas as Nações que queiram dar-se bem" com Washington.

Donald Trump venceu as eleições presidenciais norte-americanas, derrotando, contra o que previam as sondagens, a adversária democrata, Hillary Clinton.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Força nisso seu Tramp Há 4 semanas

Recolonizar a África a grande verdade de Tramp .Fazer com que estes ditadores corruptos ,democráticos e socialistas sejam atirados ao mar e venha nova vida para estes povos.Deus só deu território aos judeus e mesmo esse condicional e não cumpriram as condições impostas pelo que ficou na promessa.

pub