Economia José Miguel Pereira: "A meteorologia, por si só, pouco importa"
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

José Miguel Pereira: "A meteorologia, por si só, pouco importa"

Especialista em Gestão do Fogo considera que persiste uma lógica de privilégio do combate e menosprezo das medidas de redução do risco. Gestão da vegetação é determinante para a prevenção e combate.
José Miguel Pereira: "A meteorologia, por si só, pouco importa"
Vítor Mota/Correio da Manhã
André Veríssimo 22 de junho de 2017 às 00:01

O combate aos grandes incêndios faz-se na prevenção, através de uma gestã

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 22.06.2017

A Ética, o Profissionalismo dos Jornalistas, da Imprensa, foi-se, pertence ao Passado, vendido que foi, ao Partidarismo Político, ao objetivo fácil de chegar a Eleitores, não me refiro a leitores, é mesmo a Eleitores, um jornalismo sem preocupação com o respeito por ele próprio, sem princípios, apen

Anónimo 22.06.2017

A CGD só tem lá 2200 excedentários pagos com o seu peso em ouro, salários e prestações sociais incluídas, que só agora foram "detectados" porque a UE alertou a gestão da organização para o facto começando finalmente a fazer-se luz. Outros bancos, altamente subsidiados, assim como diversas áreas do sector público em geral, sofrem do mesmo síndroma. Mas vai ser tarde demais e a factura é gigantesca porque a factura do excedentarismo é gigantesca e acarreta custos de oportunidade colossais. Faça-se luz noutras organizações também ou ainda morre muito mais gente em Portugal de forma totalmente absurda e perfeitamente evitável.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub