Angola José Eduardo dos Santos nomeia nova administração para um dos maiores bancos de Angola

José Eduardo dos Santos nomeia nova administração para um dos maiores bancos de Angola

O Presidente angolano nomeou esta segunda-feira uma nova administração para o Banco de Poupança e Crédito, uma das maiores instituições bancárias do país e que está em processo de reestruturação, com 1,1 mil milhões de euros de crédito vencido.
José Eduardo dos Santos nomeia nova administração para um dos maiores bancos de Angola
Lusa 03 de Outubro de 2016 às 21:24

De acordo com uma nota da Casa Civil do Presidente da República enviada à Lusa, José Eduardo dos Santos exonerou a actual administração, liderada por Paixão Júnior, e nomeou para o seu lugar, como presidente do conselho de administração e administradora não executiva, Cristina Florência Dias Van-Dúnem, até maio foi vice-governadora do Banco Nacional de Angola.

 

A nota refere que foi "exonerado todo o seu conselho de administração e procedido à nomeação de um novo conselho de administração e da sua comissão executiva", esta última que passa a ser presidida por Zinho Baptista Manuel.

 

Para os cargos de administradores não executivos foram ainda nomeados Rosa José Silvério Corrêa Victor, Júlio Ângelo da Cruz Correia, Djamila Hugette da Silva de Almeida Prata e Alcides Horácio Frederico Safeca.

 

Para administradores executivos, o Presidente angolano nomeou João António Freire, Sebastião João Manuel, Sandra da Cunha Baptista, João Domingos dos Santos Ebo, Pedro Sérgio da Costa Pitta Groz e Carlos Manuel de Carvalho Rodrigues.

 

A Lusa noticiou a 23 de Setembro que o Estado angolano vai emitir mais de 1,2 mil milhões de euros em dívida a favor da sociedade pública criada para gerir alguns activos financeiros daquele banco estatal.

 

A informação consta de um decreto assinado por José Eduardo dos Santos, com data de 15 de Setembro e ao qual a Lusa teve acesso, sendo que a sociedade em causa, Recredit - Gestão de Activos, já foi apelidada pela imprensa local como uma espécie de "banco mau" do BPC.

 

Aquando da criação desta sociedade, que a Lusa noticiou a 21 de Julho último, num documento governamental aludia-se então à "necessidade do Estado proceder à gestão de determinados activos financeiros" do BPC, "através de uma entidade que se dedique de modo exclusivo a esta actividade".

 

Com o decreto deste mês prevê-se, segundo se lê no documento, a emissão de Obrigações do Tesouro em Moeda Nacional no valor máximo de 231,127 mil milhões de kwanzas (1,250 mil milhões de euros) a favor da Recredit, "com o objectivo exclusivo de serem utilizadas como contrapartida no processo de cedência de activos do BPC".

 

A sociedade anónima de capitais públicos Recredit foi criada enquanto participada a 100% pelo Ministério das Finanças.

 

O activo total do BPC está avaliado em 1,399 biliões de kwanzas (7,560 mil milhões de euros).

 

O Ministério das Finanças anunciou no final de Outubro de 2015 o apoio do Banco Africano de Desenvolvimento ao processo de reestruturação do BPC, através de uma linha de crédito para financiar o plano de desenvolvimento daquele banco público angolano e o alargamento da sua carteira de empréstimos para 800 milhões de dólares (716 milhões de euros) nos próximos cinco a sete anos.

 

A par do empréstimo, aquele grupo africano vai ainda apoiar o BPC na aplicação de um sistema de gestão de riscos.

 

O BPC conta com mais de 5.200 trabalhadores e 400 agências para um total de clientes superior a 2,2 milhões, mas viu os resultados líquidos descerem quase 07 por cento de 2014 para 2015, para 8.289 milhões de kwanzas (44,7 milhões de euros).

 

Do total de crédito contabilizado até ao final do ano passado pelo BPC, 218.418 milhões de kwanzas (1,180 mil milhões de euros) correspondem a crédito vencido, por sua vez um aumento de quase 84% igualmente em dois anos e 16,1% tendo em conta o registo de 2014.

 

O banco tem constituídas provisões de 6,1% sobre o total do crédito concedido, ainda assim o dobro de 2014, mas abaixo dos 08% de 2013, apresentando um rácio de solvabilidade no final de 2015 de 11,3%.

 

A Lusa noticiou há precisamente um ano que o Estado angolano iniciou um processo de aumento do capital social do BPC para garantir a sua viabilidade.




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 04.10.2016


PS ROUBA OS SALÁRIOS DOS TRABALHADORES DO PRIVADO


SALÁRIOS E PENSÕES DA FP ESTÃO A SER PAGOS COM DINHEIRO EMPRESTADO

A reposição dos Salários e Pensões da FP está a ser feita na totalidade com recurso ao endividamento do País.

Por isso a dívida pública e os respetivos juros, suportados pelos contribuintes, estão em crescimento acelerado.

comentários mais recentes
14:07 Mata-te 04.10.2016

Vais ver que te passa o sofrimento.

Tarado das 10:01 04.10.2016

Foste enrrabado por um FP? vai trabalhar malandro.

País nojento 04.10.2016

Um nojo

Anónimo 04.10.2016


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub