Economia Jovem que estava desaparecida em Barcelona é a segunda vítima mortal portuguesa

Jovem que estava desaparecida em Barcelona é a segunda vítima mortal portuguesa

O primeiro-ministro, António Costa, confirmou este sábado que a rapariga de 20 anos que estava desaparecida após o atentado terrorista de quinta-feira em Barcelona, Espanha, é a segunda vítima mortal portuguesa.
Jovem que estava desaparecida em Barcelona é a segunda vítima mortal portuguesa
Atentado terrorista em Barcelona fez 14 mortos, duas das vítimas eram portuguesas.
Reuters
Lusa 19 de agosto de 2017 às 11:21

"Queria mais uma vez apresentar condolências à família e sinalizar que isto demonstra bem como a ameaça é de facto uma ameaça global, não só porque pode surgir em todo o sítio como também pode atingir qualquer um. Mesmo não sendo na nossa terra, é também no sítio onde estamos em férias, em turismo, em trabalho", afirmou o primeiro-ministro, António Costa, após confirmar que a rapariga de 20 anos que estava desaparecida após o atentado terrorista de quinta-feira em Barcelona, Espanha, é a segunda vítima mortal portuguesa.

 

António Costa alertou que a ameaça terrorista tem de ser levada "muito a sério",  sublinhando que, "hoje foi em Barcelona, amanhã pode ser noutro sítio", esperando que "nunca seja em Portugal, mas é um risco que todos temos, obviamente, de assumir que existe", ressalvou.

 

O primeiro-ministro obteve confirmação do falecimento da segunda vítima portuguesa nos ataques de Barcelona, através do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, que se encontra na capital catalã. A jovem agora identificada era neta da primeira vítima mortal portuguesa, uma mulher de 74 anos, residente em Lisboa.

 

Espanha foi alvo na quinta e sexta-feira de dois ataques terroristas, em Barcelona e em Cambrils, Tarragona, que fizeram 14 mortos e 135 feridos.

 

António Costa encontrava-se de visita ao dispositivo de prevenção e combate a incêndios, no âmbito da declaração de calamidade pública com efeitos preventivos, vigente desde as 14 horas de sexta-feira, e que se prolonga ate as 24 horas de segunda-feira.


Grupo "jihadista" Estado Islâmico reivindica atentado de Cambrils

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou este sábado o ataque mortífero ocorrido sexta-feira na estância balnear de Cambrils, Espanha, onde um veículo subiu o passeio da marginal atropelando transeuntes antes de embater numa viatura policial.

 

O EI, que já tinha reivindicado o atentado perpetrado no dia anterior em Barcelona, que fez 13 mortos e 120 feridos, precisou que "dois esquadrões de 'jihadistas'" levaram a cabo os dois ataques que tinham como alvos "concentrações de cruzados", segundo o comunicado divulgado pela sua agência de propaganda, a Amaq.

 

Na madrugada de sexta-feira, um Audi A3 avançou sobre as pessoas que passeavam na marginal de Cambrils, matando uma e ferindo 15, antes de embater numa viatura dos Mossos d'Esquadra, a polícia catalã.

 

Seguiu-se um tiroteio, em que os cinco ocupantes do Audi, munidos de falsos coletes de explosivos, um machado e facas, foram mortos.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Bruno Há 4 semanas

Paz à alma da avó e neta e condolências sinceras a todos os seus familiares.
E até quando vamos manter este estado de alerta na mesmal? Até sofremos um atentado ?

General Ciresp Há 40 minutos

Esta a ser noticia que o assassino desta mortandade ainda anda a monte.Nao entendo como e q a policia espanhola nao noticia que e severamente castigado aquel q der abrigo a um assasino deste tamanho.Assim aconteceu com o assassino em Franca que recebeu abrigo na Belgica.Mao pesada nessa malandragem.

pub
pub
pub
pub