Saúde Jovem que morreu com sarampo não estava vacinada

Jovem que morreu com sarampo não estava vacinada

"Não julgamos pais, não fazemos juízos de valor. Por vezes, por falta de informação, são levados a tomar as medidas erradas. O valor da vacina é superior à vantagem individual", disse o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.
Jovem que morreu com sarampo não estava vacinada
DR
Lusa 19 de abril de 2017 às 10:44
A jovem de 17 anos que morreu com sarampo no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, não estava vacinada, revelou hoje o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

"A jovem não estava protegida do ponto de vista imunitário", disse o ministro, em resposta a uma pergunta sobre se a rapariga estava vacinada.

De acordo com uma nota do Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), a que pertence o Hospital Dona Estefânia, a jovem morreu "na sequência de uma situação clínica infecciosa com pneumonia bilateral - sarampo".

Na conferência de imprensa na Direcção-Geral da Saúde, o ministro manifestou solidariedade para com os pais da jovem que morreu e sublinhou a importância da protecção, frisando que a vacinação "é segura e eficaz".

"Assistimos a um combate muito desleal entre a ciência e a opinião (...). A melhor resposta é a prevenção. É tempo de parar com a opinião e a especulação sobre a evidência científica", afirmou o governante.

Adalberto Campos Fernandes apelou ainda à população para confiar no sistema de saúde e na capacidade de uma comunidade "solidária e responsável".

"Não julgamos pais, não fazemos juízos de valor. Por vezes, por falta de informação, são levados a tomar as medidas erradas. O valor da vacina é superior à vantagem individual", acrescentou.

Segundo a Direcção-Geral da Saúde (DGS), desde Janeiro de 2017 e até hoje foram confirmados 21 casos de sarampo em Portugal, havendo outros 18 casos em investigação. Houve ainda oito casos suspeitos, mas as análises feitas pelo Instituto Ricardo Jorge deram negativo para sarampo.

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, geralmente benigna mas que pode desencadear complicações e até ser fatal. Pode ser prevenida pela vacinação, que em Portugal é gratuita.

Pelo menos 14 países europeus têm registado surtos de sarampo desde o início deste ano, com a Roménia a liderar o número de casos, com mais de quatro mil doentes em seis meses.

De acordo com o director-geral da Saúde, Francisco George, a Itália acaba de notificar 1.500 casos, 10% em enfermeiros e médicos, mas em 90% as pessoas a quem foi diagnosticada esta condição não estavam vacinadas.

Segundo o Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC, na sigla inglesa), o número de países europeus com casos de sarampo foi crescendo no início deste ano e quase todos eles terão ligação ao surto que começou na Roménia em Fevereiro de 2016.

Além de Portugal, registaram surtos de sarampo a Áustria, Bélgica, Bulgária, Espanha, Dinamarca, França, Alemanha, Hungria, Islândia, Itália, Suíça e Suécia.

(Notícia actualizada às 11:25 com mais informação)



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.04.2017

Tenho 52 anos.
Lembro-me que em crianças, sempre que uma tinha alguma das chamadas doenças de crianças, juntavam outras crianças para que também apanhassem essa doença de forma a ficaram sem o risco de mais tarde as apanharem.
O meu irmão apanhou sarampo e até me puseram a dormir na mesma cama para ver se também apanhava. Não apanhei.
Nem papeira.
Será que o problema hoje não é a higiénização em demasia? Já nem os médicos sabem tratar doenças que há umas décadas eram corriqueiras...

comentários mais recentes
Anónimo 19.04.2017

Tenho 52 anos.
Lembro-me que em crianças, sempre que uma tinha alguma das chamadas doenças de crianças, juntavam outras crianças para que também apanhassem essa doença de forma a ficaram sem o risco de mais tarde as apanharem.
O meu irmão apanhou sarampo e até me puseram a dormir na mesma cama para ver se também apanhava. Não apanhei.
Nem papeira.
Será que o problema hoje não é a higiénização em demasia? Já nem os médicos sabem tratar doenças que há umas décadas eram corriqueiras...

pub