Justiça Juiz concorda com MP e não envia processo de Manuel Vicente para Angola  

Juiz concorda com MP e não envia processo de Manuel Vicente para Angola  

O juiz titular do caso 'Operação Fizz' concordou com a posição do Ministério Público (MP) em recusar a transferência do processo do antigo vice-Presidente angolano Manuel Vicente para Angola, decisão que foi objecto de recurso para a Relação.
Juiz concorda com MP e não envia processo de Manuel Vicente para Angola   
Lusa 09 de janeiro de 2018 às 14:14

Em resposta à agência Lusa, a Procuradoria-Geral da República (PGR) refere que, "no essencial, o juiz titular do processo concordou com a posição do Ministério Público, indeferindo a transmissão requerida pelo suspeito", mas esta decisão judicial "foi objecto de recurso para o Tribunal da Relação de Lisboa" pela defesa de Manuel Vicente, acusado de corrupção.

 

A PGR explicou à Lusa que a decisão de rejeitar a transmissão do processo para Angola fundamentou-se no facto de as autoridades angolanas terem dito "não haver qualquer possibilidade de cumprimento de eventual carta rogatória que, porventura, lhes fosse endereçada para audição e constituição como arguido de Manuel Vicente, por considerar que o mesmo é detentor de imunidade".

 

Baseou-se também na comunicação de que factos de que Manuel Vicente é acusado estariam abrangidos, em Angola, pela Lei da Amnistia.

 

A PGR revela ainda que as autoridades angolanas comunicaram que "não era possível saber, com antecedência, se se aplicaria esta ou aquela lei da ordem jurídica angolana, quando questionada genérica e teoricamente se a Lei da Amnistia seria aplicável ao caso concreto".

 

Na resposta à Lusa, a PGR adianta que o MP concluiu "não existir qualquer garantia de que os factos, em caso de transmissão do processo, fossem objecto de apreciação judicial".

 

O MP entendeu não se verificar o requisito da "boa administração da justiça" e as condições para transmissão do processo.

 

O Presidente angolano, João Lourenço, afirmou na segunda-feira que as relações entre Portugal e Angola vão "depender muito" da resolução do processo de Manuel Vicente e classificou a atitude da Justiça portuguesa como "uma ofensa" para o seu país.

 

"Lamentavelmente [Portugal] não satisfez o nosso pedido, alegando que não confia na Justiça angolana. Nós consideramos isso uma ofensa, não aceitamos esse tipo de tratamento e por essa razão mantemos a nossa posição", enfatizou João Lourenço.

 

Para a defesa do ex-governante angolano, as questões relacionadas com Manuel Vicente deviam ser analisadas pela justiça angolana, apontando mecanismos previstos no Direito Internacional e nos Direitos internos em matéria de cooperação judiciária.

 

A defesa colocou a questão no processo, tendo esta sido rejeitada pelo juiz do processo, o que motivou um recurso para a Relação.

 

O procedimento de transmissão de processos penais está regulado pelo artigo 79º e seguintes da Lei 144/99 de 31 de agosto e pela Convenção de Extradição entre os Estados Membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

 

Na "Operação Fizz", Manuel Vicente é acusado de ter pago 760 mil euros a Orlando Figueira, quando este era procurador no Departamento Central de Investigação e Ação Penal para obter decisões favoráveis.

 

O início do julgamento está marcado para 22 de Janeiro, em Lisboa, estando Manuel Vicente pronunciado por corrupção activa em co-autoria com Paulo Blanco e Armindo Pires, branqueamento de capitais, em co-autoria com Paulo Blanco, Armindo Pires e Orlando Figueira e falsificação de documento, com os mesmos arguidos.

 

O procurador Orlando Figueira, que chegou a estar preso preventivamente, está pronunciado por corrupção passiva, branqueamento de capitais, violação de segredo de justiça e falsificação de documentos, o advogado Paulo Blanco por corrupção activa em co-autoria, branqueamento também em co-autoria, violação de segredo de justiça e falsificação documento em co-autoria.

 




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
lol Há 1 semana

CORRUPTOSSSSSSSSSSSSSSSSS

Cadeia com o bicho Há 1 semana

Vais para a cadeia macaco corrupto

MEU CARO, PORTUGAL EXISTE JÁ HÁ 874 ANOS ! Há 1 semana

O Povo Português não tem medo de chantagens, venham elas de onde vierem !
O PR angolano, na sua deriva de em tudo querer mandar - ATÉ EM PAÍSES SOBERANOS, COMO PORTUGAL -, já ameaçou q irá sair da CPLP, se não lhe for feita a vontadinha de nos vergarmos e enviarmos o processo do M.V. para Angola

CARO PR, QUEM SE DEVE SENTIR OFENDIDO SOMOS NÓS ! Há 1 semana

O PR angolano está a tentar - mas não conseguirá - fazer de nós, Portugueses, totós.
Como ?
Exigindo - q vontade de rir - q o processo de Manuel Lourenço seja transferido para ser julgado pela Justiça angolana
Ê ficou ofendido ...
Só não vê q está a passar à n/ Justiça um atestado de menoridade.

ver mais comentários
pub