Justiça Juízes ameaçam com greve. A última foi há mais de uma década

Juízes ameaçam com greve. A última foi há mais de uma década

A Associação Sindical dos Juízes não descarta a realização de uma greve que possa ajudar a desbloquear o estatuto profissional, escreve o Público na sua edição desta sexta-feira, 12 de Maio. A última que fizeram aconteceu em 2005.
Juízes ameaçam com greve. A última foi há mais de uma década
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 12 de maio de 2017 às 09:31

Manuela Paupério, presidente da Associação Sindical de Juízes Portugueses, afirma esta sexta-feira ao jornal Público que não descarta a possibilidade de avançar com uma greve. Em causa está a finalização do estatuto profissional dos juízes, pelo qual aguardam há mais de seis anos e que a actual ministra da Justiça diz ter praticamente pronto, mas que mantem em segredo.

 

"Não queremos ir para a greve, mas não descartamos essa possibilidade", diz a magistrada citada pelo "Público", lembrando que, apesar de serem um órgão de soberania, os juízes são uma classe profissional e também têm direito à greve.

 

O estatuto dos magistrados judiciais, tal como o dos magistrados do Ministério Público está à espera de revisão já desde o tempo da anterior ministra, Paula Teixeira da Cruz. Na altura foi constituído um grupo de trabalho para cada uma das magistraturas e elaboradas duas propostas que a ministra do PSD nunca viabilizou.

 

Francisca Van Dunem retomou o processo quando chegou e terá já em mãos uma proposta que, contudo, não partilhou ainda com os magistrados. Entretanto estes acham que já esperaram de mais e admitem agora avançar com um protesto em forma de greve.

 

Com o novo estatuto os juízes pretendem aumentar as possibilidades de progressão na carreira, adaptação à nova organização dos tribunais ou a subida do actual suplemento salaria, de 620 euros e com o qual são compensados pela exclusividade obrigatória.

 

A acontecer uma greve não será a primeira vez que os juízes avançam nesse sentido. A última vez que aconteceu foi em 2005. Agora, diz Manuela Paupério, querem uma resposta do Governo até ao final de Maio. 


A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
ROBERTO Há 1 semana

Estavam tão caladinhos no governo anterior. Porque será ?

??? Há 2 semanas

Por este andar, qualquer dia teremos os políticos a fazer greve por melhores salários, menos horas, menos presenças, preços mais acessíveis no tasco de São Bento e melhores condições gerais de "trabalho". Enfim. Uma classe sacrificada ao serviço do bem do povo, merece a devida recompensa.

Mr.Tuga Há 2 semanas

FAZ TODO SENTIDO !!!!!!!!!!!!

Depois dos profs! Depois dos enfermeiros! Depois dos médicos! Depois de estivadores! Depois dos precarios!

Percebe-se que aproveitem a onda....
Enviem-me a factura para validar do portal da AT.

antonio Há 2 semanas

Tenham decoro. Vocês são uma classe privilegiada e que devem é dar mais e melhor qualidade ao que fazem. Sim porque aquilo a que temos assistido é uma vergonha em muitos dos casos que deviam ser denunciados e que só não são porque são uma classe corporativista, onde se defendem uns aos outros.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub