Empresas "Julgamento do século" revela segredos da elite da Coreia do Sul

"Julgamento do século" revela segredos da elite da Coreia do Sul

O julgamento do vice-presidente da Samsung Electronics, Jay Y. Lee, começou a 9 de Março. O Ministério Público tenta provar que o bilionário conspirou para canalizar milhões de dólares para uma confidente da presidente Park Geun-hye a fim de ajudar a assegurar o controlo da maior fabricante de smartphones do mundo.
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
Bloomberg 10 de março de 2017 às 20:04

Lee é a figura empresarial de mais alto perfil a ser indiciada numa enorme investigação de corrupção que também provocou a destituição de Park e gerou indignação pela "corrupção crónica" nos vínculos entre o Governo e conglomerados dirigidos por famílias. O promotor público Park Young-soo revelou que a acção legal em torno de Lee é o "julgamento do século" da Coreia do Sul, por causa do seu perfil global e da quantidade de dinheiro envolvida.

 

As audiências no Tribunal Distrital Central de Seul vão durar até três meses, com Lee a enfrentar acusações de suborno e desvio de fundos. O maior ponto de discórdia será se as doações feitas pela Samsung a entidades dirigidas pela amiga de Park, Choi Soon-sil, tinham a intenção de obter o apoio do Governo para uma fusão polémica que foi realizada em 2015 e tornou mais fácil para Lee controlar o conglomerado Samsung Group. O executivo de 48 anos negou ter cometido qualquer delito.

 

"Provar que houve uma troca de dinheiro por favores será um desafio", disse Hong Jung-seok, um advogado que trabalhou para o Ministério Público até ao fim de Fevereiro. "O julgamento chamará a atenção do mundo inteiro, não apenas pela fama do réu no exterior, mas também pela dimensão do alegado suborno."

 

Três instâncias

 

Se for condenado, a sentença de Lee pode ser de cinco anos de prisão à prisão perpétua. No sistema judiciário de três instâncias da Coreia do Sul, Lee pode recorrer a um tribunal de recurso e depois ao Supremo Tribunal se perder, e cada tribunal demora até dois meses para deliberar. O pai de Lee escapou da cadeia, apesar de ter duas condenações penais, graças a indultos do Governo.

 

A difícil situação de Lee gera dúvidas em relação à sucessão na Samsung, que está em transição desde que o pai sofreu um enfarte paralisante em 2014. A ausência prolongada do líder de facto poderia adiar decisões importantes na Samsung Electronics, que apresentará a nova versão de seu smartphone principal, o Galaxy S8, em Março. Contudo, a Samsung afirmou que tem uma equipa de administração forte no comando dos negócios e as acções da companhia subiram 11,5% este ano, mais do triplo do ganho no índice de referência KOSPI.

 

Lee foi acusado no mês passado, em conjunto com outros quatro executivos da Samsung, mas foi o único detido. O promotor acusa-o de conspirar para transferir 29,8 mil milhões de wons (24 milhões de euros) às organizações de Choi em troca de favores. Entre os alegados favores está a obtenção de apoio do Serviço Nacional de Pensões do Governo a uma fusão entre a Cheil Industries e a Samsung C&T, realizada em 2015. A transacção – que consolidou o controlo de Lee – foi aprovada por pouco apesar da oposição do investidor activista Paul Elliott Singer.

 

Lee também foi acusado de ocultar activos no exterior, de perjúrio e de ocultar lucros obtidos com actividades criminosas. A Samsung afirmou na segunda-feira que não concorda com as conclusões de Park. "A Samsung não pagou subornos nem realizou pedidos inapropriados em busca de favores. Os processos judiciais futuros revelarão a verdade", afirmou a empresa em um comunicado.

 

"É um vexame internacional", disse por e-mail Eric Schiffer, presidente da Reputation Management Consultants, com sede em Irvine. "Mas isso não vai destruir a reputação da Samsung. Também não afectará muito as vendas, porque a Samsung é maior do que Lee."




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

A SAMSUNG É UM POLVO ... ATÉ OS IPHONES NÃO FUNCIONAM SEM A SAMSUNG !!!

Johnny Há 2 semanas

Tenho orgulho em afirmar que não tenho nada da samsung cá em casa
Dar dinheiro a coreanos ? pta que os pariu
sim sim, para não vivermos na idade do bronze temos de dar o dinheiro a alguém
mas prefiro europeus e americanos

Conselheiro de Trump Há 2 semanas

Seguindo este raciossinio,podemos concluir que o momento actual do pais e o "JULGAMENTO DO MILENIO"

pub
pub
pub
pub