Economia Juncker critica demora na chegada de aviões para combater incêndios em Portugal

Juncker critica demora na chegada de aviões para combater incêndios em Portugal

O presidente da Comissão Europeia expressou esta manhã solidariedade com Portugal e Espanha e diz que não é aceitável que os aviões de ajuda demorem três dias a chegar quando há um incêndio.
Juncker critica demora na chegada de aviões para combater incêndios em Portugal
Reuters
Bruno Simões 24 de outubro de 2017 às 11:33

Jean-Claude Juncker abriu o debate na sessão plenária do Parlamento Europeu com os fogos que assolaram Portugal e Espanha, e mostrou-se insatisfeito com a demora resposta europeia. Numa intervenção em Estrasburgo, Juncker criticou a articulação de meios ao abrigo do mecanismo europeu de Protecção Civil. "Não é normal que, quando um incêndio se declara num domingo de manhã em Portugal, tenhamos de esperar até quarta-feira à noite para ver chegar o primeiro avião de ajuda europeu", afirmou.

 

"Temos de acelerar o processo", exigiu. Por isso, vêm aí mudanças. "Encarreguei o comissário [Christos] Stylianides", responsável pela Gestão de Crises e Ajuda Humanitária, "de reflectir no prazo de um mês, e em todo o caso até ao fim do ano, na remodelação e numa nova articulação dos nossos mecanismos de protecção civil que não estão a funcionar a cem por cento", declarou.

 

Até isso acontecer, a Comissão Europeia vai "activar, após verificar a sua aplicabilidade, todos os mecanismos do Fundo Europeu de Solidariedade para Portugal, Espanha e os três países bálticos" - Estónia, Letónia e Lituânia.

 

Juncker começou por "relembrar" o sentido de "solidariedade para com a tragédia que Portugal e Espanha acabaram de atravessar". "Estes terríveis incêndios chocaram-nos e interpelaram-nos, tal como as chuvas torrenciais que atingiram há alguns meses os três países bálticos".

"A solidariedade é uma virtude essencial da nossa União e quando um de nós se vê confrontado com dificuldades é evidente, necessário e elementar que a União Europeia venha em ajuda daqueles que sofrem", e essa resposta não pode demorar.

Na sua intervenção, Juncker apresentou as conclusões do Conselho Europeu do final da semana passada e também pediu ao Parlamento Europeu para "acelerar os trabalhos em matéria de migrações, nomeadamente sobre o regime comum de asilo".

"A situação em África, a União Digital, a conclusão dos acordos comerciais com os países do Mercosur, a política social e as negociações do Brexit foram outros dos temas abordados hoje no Parlamento Europeu pelo presidente Jean-Claude Juncker", de acordo com uma nota da Comissão Europeia.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Juncker é um cidadão do Mundo e é de Portugal.

Camponio da beira Há 3 semanas

E o que nos garante que alguém daqui ligou para lá a dizer....não tenham pressa, jantem descansados.

pub