Zona Euro Juncker diz que “nascer na Europa é ganhar a lotaria”

Juncker diz que “nascer na Europa é ganhar a lotaria”

O presidente da Comissão Europeia apela à crescente união entre os Estados-membros da UE, frisando que uma Europa unida "é mais importante do que nunca".
Juncker diz que “nascer na Europa é ganhar a lotaria”
Reuters
Negócios 08 de junho de 2017 às 18:48

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, elogiou esta quinta-feira, 8 de Junho, em Praga, a determinação da Europa no combate às alterações climáticas e o seu compromisso com a abertura comercial, apelando, ao mesmo tempo, a uma união crescente dos Estados-membros da União Europeia.

"No cenário global, uma Europa unida é mais importante do que nunca", afirmou Juncker, num discurso realizado na Charles University, em Praga.

Numa referência velada aos Estados Unidos, que pretende renegociar os acordos comerciais, e que abandonou recentemente o Acordo de Paris, o responsável sublinhou que "enquanto outros se voltam para dentro, nós continuamos a mostrar ao mundo que a Europa está comprometida com a luta contra as alterações climáticas e com o comércio global livre, justo e baseado em regras".

Descrevendo a Europa como uma "força global positiva", o presidente da Comissão Europeia defendeu mesmo que é "o melhor sítio do mundo" para ser se viver.

"Nascer na Europa do pós-guerra e depois da queda da Cortina de Ferro é ganhar a lotaria de uma vida", elogiou Juncker. "O que é importante é que todos caminhamos na mesma direcção, mesmo que não vamos à mesma velocidade. Diferentes velocidades é melhor do que ficar parado".

No seu discurso, Juncker deixou ainda um recado à República Checa devido às suas decisões no que respeita à crise dos refugiados, lembrando que a solidariedade é uma via de dois sentidos. O presidente da Comissão Europeia frisou que as "regras são para cumprir" e que Bruxelas não se inibirá de recorrer aos procedimentos de infracção caso seja necessário.

"Espero sinceramente que o governo checo reconsidere o seu caminho para que não tenhamos de recorrer a procedimentos legais de infracção, o que faremos se nada mudar", avisou o responsável.

Os Estados-membros da UE "tomaram a decisão colectiva de demonstrar solidariedade com Itália e a Grécia e receber refugiados. Lamento que a República Checa só tenha recebido 12 pessoas no ano passado, e mais nenhuma desde então". 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 08.06.2017

Especialmente se for na Suíça...

comentários mais recentes
SÍTIO MUITO MANHOSO 09.06.2017


... é onde os parasitas se reproduzem e vão para o parlamento europeu (?) !!!

OS POVOS QUE SE LIXEM . . . MENOS OS FRANCESES !

Patriot 08.06.2017

Ó Conselheiro do Trump, talvez prefira os EUA. Vá pra la e fique por lá. Eu conheço bem os EUA e digo-lhe que não troco Portugal pelos EUA.

Anónimo 08.06.2017

Especialmente se for na Suíça...

Conselheiro de Trump 08.06.2017

Outro selfie:quer e beijos e mulheres sem BH para poder espreitar as mamolas.Beijoqueiros duma figa.Os refugiados que chegam a portugal poem-se logo nas andadeiras,e bem este contar anedotas.

pub