Zona Euro Juncker não se mostra surpreendido com a recuperação económica de Portugal

Juncker não se mostra surpreendido com a recuperação económica de Portugal

Em entrevista ao Expresso, o presidente da Comissão Europeia diz não estar surpreendido com a recuperação económica conseguida por Portugal. Juncker defende que a despesa com os incêndios não deve penalizar o défice.
Juncker não se mostra surpreendido com a recuperação económica de Portugal
Reuters
Negócios 01 de novembro de 2017 às 15:50

Jean-Claude Juncker não ficou surpreendido com a recuperação económica portuguesa, que regista um crescimento "forte e amplo", um desemprego "a cair" e um sector financeiro "mais robusto". Resultados que o presidente da Comissão Europeia atribui aos "sacrifícios" e à "determinação do povo português ao longo dos anos para concluir o programa de apoio à estabilidade e trazer o país para um caminho sustentável".

 

Em entrevista concedida ao Expresso, Juncker, que esteve em Portugal no início da semana para participar no Conselho de Estado realizado na segunda-feira, defende a necessidade de aprofundar a integração no âmbito da Zona Euro "para fortalecer a sua capacidade para apoiar a política monetária e as políticas económicas nacionais e para democratizar ainda mais a nossa rede comum".

 

"Não podemos esperar por outra crise", diz o ex-primeiro-ministro luxemburguês que salienta que, entre outros, o primeiro-ministro António Costa mostra ter "noção da urgência de dar os passos necessários".

 

O presidente da Comissão voltou ao tema dos incêndios para defender que a despesa orçamental de Portugal com os incêndios não deve ser considerada para efeitos de défice orçamental, lembrando o carácter atribuído por Bruxelas aos custos assumidos pela Itália com os diversos terramotos que atingiram o país.

 

"Os custos associados de respostas de emergência podem ser classificados como pontuais e assim excluídos da avaliação do cumprimento das regras orçamentais por um Estado-membro. Foi assim, por exemplo, com as despesas directamente relacionadas com os sismos em Itália."

 

Durante o Conselho Europeu que decorreu há duas semanas, em Bruxelas, o comissário europeu para os Assuntos Financeiros, Pierre Moscovici, já defendera que a despesa orçamental com os incêndios não deve ser contabilizada no défice orçamental.


Na segunda-feira, Juncker já tinha dito, a propósito do "risco de desvio significativo" para que alertava a Comissão Europeia numa carta enviada para Lisboa sobre a proposta para o Orçamento do Estado para 2018, se tratava afinal de "um pequeno problema" que "resolveremos".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Miguel Há 2 semanas

Como é que se gasta dinheiro público sem ir ao défice? Se houver um terramoto, vão dizer: reconstruam tudo mas atenção não subam o défice. Estes gajos nem doentes se acham mortais, como os comuns

Um tata bitata qualquer, com Há 2 semanas

pretensões a comentador, vai disparatando por aqui. Que tristeza de situação onde alguns se afundam no lamaçal da ignorância.

General Ciresp Há 2 semanas

Nao facas rodeios e vai directo ao assunto.portugal como muitos outros vao a REBOQUE.A subida da economia e generalizada em toda a EU,ninguem e cego.O canhoto empenado na nuca,a jarra e o d.branca e que querem fazer crer que isto e obra da radicalizacao,oh,oh.

pub