Banca & Finanças Juros nas dívidas ao Estado nunca estiveram tão baixos

Juros nas dívidas ao Estado nunca estiveram tão baixos

A queda da Euribor reduziu os juros nas dívidas ao Estado. Pela primeira vez, a taxa dos juros de mora aplicável ao Estado desceu da fasquia dos 5%. A taxa exacta em vigor em 2017 é 4,966%.
Juros nas dívidas ao Estado nunca estiveram tão baixos
Correio da Manhã
Diogo Cavaleiro 04 de janeiro de 2017 às 11:01

Quem tem dívidas ao Estado e a entidades públicas enfrenta menos custos no presente ano. A queda das taxas Euribor diminuiu os juros de mora aplicáveis às dívidas ao sector público.

 

"Em cumprimento do disposto no artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 73/99, de 16 de Março, fixa-se a taxa dos juros de mora aplicáveis às dívidas ao Estado e outras entidades públicas em 4,966%", indica o Aviso n.º 139/2017, publicado no Diário da República desta quarta-feira, 4 de Janeiro.

 

Esta taxa, em vigor desde 1 de Janeiro e para todo o ano de 2017, reflecte um corte em relação aos valores praticados nos anos anteriores. Em 2016, os contribuintes enfrentavam uma taxa dos juros de mora de 5,168%, que era a mais baixa desde a alteração do método de cálculo cujos efeitos foram sentidos em 2011. Nesse ano, essa alteração cortou para metade os juros nas dívidas dos contribuintes (6,351%) e o valor máximo foi verificado em 2012, superando os 7%. Agora, desceu dos 5%.

 

Até 2011, o cálculo era feito com base de uma taxa de 1% ao ano, que elevava a factura com os juros de mora para 12%. Desde esse ano, a taxa é fixada a partir da média das médias mensais das taxas Euribor a 12 meses a que se soma um diferencial de cinco pontos. Neste momento, a Euribor nesta maturidade foi fixada em -0,084%, mas ao longo do ano de 2016 variou entre 0,06% e -0,08%, tendo descido para terreno negativo logo em Fevereiro.

 

É ao IGCP que cabe calcular e publicitar a taxa dos juros e moda aplicáveis que, nos últimos anos, tem contribuído para a redução dos encargos a suportar pelos devedores.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas


Os FP/CGA devem mais de 30 mil milhões de € ao estado (aos restantes contribuintes).


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...


os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o pagamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.


comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas


OS CÃES RAIVOSOS DA FP_CGA

Os cães raivosos da FP_CGA abocanharam tudo e mais alguma coisa nos últimos 40 anos.

Sempre à custa dos trabalhadores e pensionistas do privado, que sustentam a FP e seus pensionistas a pão de ló.


Anónimo Há 2 semanas


Os FP/CGA devem mais de 30 mil milhões de € ao estado (aos restantes contribuintes).


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...


os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o pagamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.


pub