Economia Juros da dívida de Portugal e da Alemanha sobem após decisões dos líderes europeus

Juros da dívida de Portugal e da Alemanha sobem após decisões dos líderes europeus

A taxa de juro implícita nas obrigações portuguesas está em alta na generalidade das maturidades. A excepção é para a dívida a dois anos em que a "yield" implícita cai.
Hugo Paula 09 de Dezembro de 2011 às 09:48
As taxas de juro implícitas na dívida soberana estão a subir para a generalidade das economias da Europa. Portugal não é excepção mas na maturidade de dois e de quatro anos a "yield" cai.

A “yield” implícita nas obrigações portuguesas a dois anos recua 21,9% pontos base para 16,710%, mas a descida dos juros fica-se pela emissões de prazo mais curto. Nas obrigações a cinco anos a taxa de juro implícita avança 3,8 pontos base para 16,073% e a da linha de dívida a 10 anos agrava-se 6,7 pontos base para 13,018%.

No resto da Europa a tendência também é de subida dos juros. A taxa de juro da Alemanha avança 1,7 pontos base para 2,033% e a das obrigações italianas a 10 anos sobe 11,0 pontos base para 6,568%. A dívida de França da mesma maturidade aprecia 0,8 pontos base para 3,365%.

O Reino Unido, que não partilha a moeda única e que escolheu não acompanhar a “União de Estabilidade” europeia também vê os juros da sua dívida subir. A taxa de juro implícita nas obrigações da dívida do governo liderado por David Cameron sobe 2,9 pontos base para 2,148%.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
joaopires5 09.12.2011

XX

joaopires5 09.12.2011

UMA EU SEM RECESSÃO AJUDA MAS NÃO É SOLUÇÃO PARA O ENDIVIDAMENTO EXTERNO TUGA. ESTA PASSA EXLUSIVAMENTE PELO REEQUILIBRIO ESTRUTURAL DA BALANÇA DE TRANSACÇÕES CORRENTES....CORTAR DRÁSTICAMENTE NAS IMPORTAÇÕES E EXPORTAR DRÁSTICAMENTE MAIS---CRESCIMENTO DE +70%

pub