Política Justiça espanhola emite mandado de detenção europeu contra Puigdemont

Justiça espanhola emite mandado de detenção europeu contra Puigdemont

A justiça espanhola emitiu esta sexta-feira mandados de detenção europeus contra o presidente da região autónoma da Catalunha destituído, Carles Puigdemont, e quatro dos ex-ministros do executivo catalão.
Justiça espanhola emite mandado de detenção europeu contra Puigdemont
Negócios com Lusa 03 de novembro de 2017 às 20:58

Os cinco elementos viajaram para Bruxelas, na Bélgica, e não estiveram presentes na Audiência Nacional de quinta-feira.

 

A juíza Carmen Lamela emitiu os mandados de detenção europeus contra os cinco membros do governo catalão destituído, por "delitos de rebelião, sedição, desvio de fundos e desobediência à autoridade", refere o tribunal em comunicado.

 

Um porta-voz do Ministério Público belga confirmou que receberam o mandado de detenção e referiu que o mesmo vai ser estudado. "Vai ser entregue a um juiz de instrução e vai ser estudado", disse Eric Van der Sijptm, citado pela agência France Press.

 

O parlamento regional da Catalunha aprovou na passada sexta-feira a independência da região, numa votação sem a presença da oposição, que abandonou a assembleia regional e deixou bandeiras espanholas nos lugares que ocupava.

 

O Executivo de Mariano Rajoy, do Partido Popular (direita), apoiado pelo maior partido da oposição, os socialistas do PSOE, anunciou no sábado a dissolução do parlamento regional, a realização de eleições em 21 de Dezembro próximo e a destituição de todo o governo catalão.

 

Na quinta-feira, a Audiência Nacional decretou a prisão incondicional para oito ex-ministros regionais, que prestaram declarações nesse dia, entre eles o vice-presidente do Governo regional demitido, Oriol Junqueras.

 

Sobre estes independentistas, a titular do processo no tribunal madrileno considerou ser grande o risco de persistirem em acções ilegais e provável a destruição e ocultação de provas. Justifica ainda a prisão preventiva decretada com o nível aquisitivo dos réus, que lhes permitira facilmente sair do país.

Já o ex-ministro Santi Villa, que se demitiu no dia anterior à proclamação da independência da Catalunha, pode evitar a prisão preventiva mediante o pagamento de uma fiança no valor de 50 mil euros, sendo que permanecerá detido até que faça esse depósito.

Também em Madrid, na quinta-feira, o Supremo Tribunal espanhol decidiu colocar seis deputados regionais, entre eles a presidente do parlamento da Catalunha, Carme Forcadell, em vigilância policial até à próxima quinta-feira, quando voltarem a ser ouvidos pelo tribunal.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Invicta Há 2 semanas

Ver-se-à nas eleições de dezembro, qual a representatividade dos independentistas. Tudo o que fizeram até aqui, não passou de uma fantochada. Até lá, não passam de insurrectos. Roubo, assassínio, pedofilia, são punidos e com estragos limitados. Este que levava ao precipício milhões, ficava impune?

DO QUE PORTUGAL SE LIVROU ... Há 2 semanas

Independentemente de tomar partido na questão da Catalunha, visto q é um assunto interno, direi q nunca gostei, nem gosto dos Espanhóis, e muito menos da sua agressividade, arrogância e prepotência.
Espanha é uma manta de retalhos, a contragosto, em q CASTELA espezinha as restantes províncias.

EM PORTUGAL, AINDA HÁ MIGUÉIS VASCONCELOS Há 2 semanas

Infelizmente, por cá, ainda há vermes traidores, como o cara de palerma e imbecil MIGUEL ESTEVES CARDOSO, que escreveu, ontem, no Público, um artigo - "ARREPIA, CATALUNHA" - fazendo a apologia de Portugal estar sob a pata de Espanha.

MAIS UM TRAIDOR VASCONCELOS VENDIDO À ESPANHA Há 2 semanas

A pergunta que se faz qq Português que tenha lido o vómito que o imbecil MIGUEL ESTEVES CARDOSO bolsa no seu artigo do PÚBLICO, que mais não é do que um lamento da 1ª. à última linha, pelo facto de Portugal não estar sob a pata de Espanha, é : "PORQUE É QUE ESTE PORCO NÃO VAI VIVER PARA ESPANHA ? "

pub