Justiça Justiça quer criar sistemas de alerta para consumidores em risco

Justiça quer criar sistemas de alerta para consumidores em risco

Em entrevista ao negócios e à Antena 1, a ministra da Justiça defende a criação de mecanismos que permitam, precocemente, encontrar situações de consumidores que estejam em risco de deixar de poder cumprir as suas obrigações.
A carregar o vídeo ...
Rosário Lira e Filomena Lança

O problema das acções executivas, que continuam a entupir os tribunais, está muito ligado à situação económica e o problema estará mais na economia do que nos próprios tribunais, sustenta Francisca Van Dunem, ministra da Justiça.

Em entrevista ao Negócios e à Antena 1, a governante explica que quer criar um sistema de alertas para os consumidores em risco de entrarem em incumprimento, evitando assim que cheguem a um processo de insolvência.

 

A ministra constituiu um grupo de trabalho, que integra o Banco de Portugal, o Instituto do Consumidor e várias outras entidades ligadas ao consumo e que, em articulação com os ministérios da Segurança Social e das Finanças, vão ser encontrados mecanismos de acompanhamento e de reestruturação das dívidas.

Esses mecanismos passam pela existência, por exemplo, de conselhos de consumidores e por alertas precoces.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Marta Guimaraes Há 2 semanas

Ó surpreso!
Cala a boca, retornado ressabiado. Para lixo já chega o que todos os dias escreves no Observador com o nick victor guerra!

Anónimo Há 2 semanas

A Justiça deve preocupar-se com os que levaram milhões de euros dos bancos,devedores ao fisco e todos os corruptos que causaram a bancarrota do país.Porque não resolver o processo Sócrates...estão à espera que este prescreva ,pois se fosse um pobre já estava a viver na barraca.

Nos JULGADOS DE PAZ as custas são mínimas Há 2 semanas

Sra. ministra, quer, verdadeiramente, democratizar o acesso da Justiça ao maior número de cidadãos e, ao mesmo tempo, diminuir substancialmente o volume e tempo de duração dos processos ?
Pense no alargamento da rede - que é apenas residual - os JULGADOS DE PAZ, pequenos tribunais expeditos.

Lixo Há 2 semanas

Os contribuintes cumpridores devem ser protegidos pela Justiça e não os "incumpridores" isto anda tudo ao contrário...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub